quinta-feira, 30 de junho de 2016

Divulgação: "Aniquilação" (Trilogia da Área X #1) - Saída de Emergência

Publicado pela Saída de Emergência

Aniquilação
(Trilogia da Área X #1)



Jeff VanderMeer

Sinopse:


     Área X. Uma zona misteriosa e isolada do resto do mundo. Onde a natureza reclamou para si qualquer vestígio de civilização. Sucessivas expedições são enviadas para investigar o mistério que levou à sua contaminação, mas todas redundam em fracasso e os seus membros regressam meras sombras das pessoas que partiram.

     Até que chega a vez da 12.ª expedição. Composta por quatro mulheres (antropóloga, topógrafa, psicóloga e bióloga), a sua missão é desvendar o enigma. Mas acontecimentos bizarros e formas de vida que ultrapassam o entendimento minam a confiança entre os membros da expedição. Nada é o que parece e o perigo espreita a cada esquina. Que novos horrores se escondem na Área X? Será a 12.ª expedição capaz de revelar todos os segredos… ou estará condenada à pior das tragédias?

Livro Um da Trilogia Área X - Vencedor dos Prémios Nébula e Shirley Jackson de Melhor Romance de 2014

    Jeff VanderMeer é um autor e editor multipremiado no género da literatura fantástica. Entre as suas obras de ficção, já traduzidas para mais de 20 línguas, incluem-se City of Saints and Madmen, Shriek: An Afterword, Predator e Finch. A Trilogia da Área X, do qual Aniquilação constitui o primeiro volume, catapultou-o para o estrelato, estando prevista uma adaptação cinematográfica pelo realizador Alex Garland. Jeff Vandermeer é também conhecido pelo seu contributo na área da escrita criativa, com participação frequente em cursos de formação. Cresceu nas Ilhas Fiji e vive agora em Tallahassee, Flórida, com a sua esposa, a editora Ann Vandermeer.



Opinião da Imprensa:

"Um livro deslumbrante… Assombrado e assombroso."_Kelly Link, autora de Magic for Beginners

"Um thriller psicológico tenso e arrepiante sobre o desenrolar de uma expedição e sobre a estranheza que existe dentro de nós. Um pouco de Kubrick, muito de Lovecraft, o romance cria um ambiente de tensão insuportável e de claustrofobia que permance durante muito tempo depois de o termos lido. Adorei!"_Lauren Beukes, autora de As Raparigas Cintilantes

"Original e belo, enlouquecedor e magnífico."_Warren Ellis


Divulgação: "Anexos" - Chá das Cinco

Publicado pela Chá das Cinco

Anexos




De Rainbow Rowell


Sinopse:


     Beth e Jennifer sabem que alguém está a monitorizar os seus e-mails de trabalho (toda a gente na redação sabe, é política da empresa). Mas, mesmo assim, não conseguem levar os avisos a sério. Insistem em enviar uma à outra e-mails hilariantes e intermináveis, em que discutem tudo sobre as suas vidas privadas.

     Lincoln O’Neill não acredita no seu novo trabalho – ler os e-mails de outras pessoas. Quando se candidatou para “supervisor de segurança na Internet” imaginava-se a combater a pirataria ou a construir firewalls – e não a escrever relatórios entediantes sempre que um jornalista envia uma piada porca.

     Um dia Lincoln depara-se com a correspondência de Beth e Jennifer e, apesar de saber que não a deveria ler, é incapaz de resistir às histórias cativantes. Quando finalmente se apercebe de que está perdidamente apaixonado por Beth, já é tarde demais para se apresentar.

     Como conseguiria ele sequer explicar?

"Olá, eu sou o tipo que lê os teus e-mails.
E já agora, apaixonei-me por ti..."

     Rainbow Rowell vive em Omaha, Nebraska, com o marido e os dois filhos. Por vezes escreve sobre os adultos, e outras vezes sobre jovens, mas aborda sempre pessoas tagarelas, que erram e fazem asneiras e que se apaixonam. Quando não está a escrever, Rainbow lê banda desenhada, planeia viagens ao Disney World, e argumenta sobre coisas que na verdade não são muito relevantes no grande esquema do mundo.

     Visitem o seu website em www.rainbowrowell.com



Opinião da Imprensa:

"Se Anexos fosse um e-mail, eu enviava-o para toda a minha lista de contactos."_Jodi Picoult

"Fresco, divertido e encantadoramente singular"_Claire Cook, autora de Seven Years Switch

"A combinação perfeita de doce romance e sagacidade ácida."_Chicago Tribune

"Inteligente e divertido ao ponto de arrancar gargalhadas."_Self Magazine


Citação do Dia - 30 de junho de 2016

"As palavras são como os patifes desde o momento em que as promessas os desonraram. Elas tornaram-se de tal maneira impostoras que me repugna servir-me delas para provar que tenho razão."
William Shakespeare

#24 - Curi(livro)sidades

Sabia que...



...Clarice Lispector era solitária e tinha crises de insónias? Ligava para os amigos e dizia coisas perturbadoras. Imprevisível, era comum ser convidada para jantar e ir embora antes de a comida ser servida.

Citação do Dia - 29 de junho de 2016

"Nenhum de nós sabe o que existe e o que não existe. Vivemos de palavras. Vamos até à cova com palavras. Submetem-nos, subjugam-nos. Pesam toneladas, têm a espessura de montanhas. São as palavras que nos contêm, são as palavras que nos conduzem."
Raúl Brandão

terça-feira, 28 de junho de 2016

Divulgação: "Mors Tua, Vita Mea" - Vanessa Santos

Publicado pela Chiado Editora

Mors Tua, Vita Mea
a tua morte, a minha vida




De Vanessa Santos

Sinopse:


    Sou a Sara e estou agoniada, desesperada, com suores frios, o mundo ganhou profundidade, está calor, não, é frio, estou tonta. Tirem-me daqui, por favor.

     É assim que se inicia o relato de Sara, a rapariga mais comum da cidade de Leiria. É-lhe transmitido pelo seu chefe um segredo de família que lhes trará dificuldades e mudanças. Em pouco tempo, Sara verá a sua vida dar uma volta de 180º, viverá momentos de pânico, medo e de pura diversão.

     Trata-se de um relato divertido, que descreve o desenrolar da trama de uma forma leve, dando a conhecer o ponto de vista de uma jovem na casa dos vinte anos e no auge da sua imaginação, descrevendo as cenas que vive com à-vontade e humor.

"Pensarão ter ganho a guerra, quando apenas não a terão perdido."

      Vanessa Santos é natural de uma das freguesias mais antigas da cidade de Leiria, Cortes. Ao longo dos anos, foi descobrindo o gosto pela leitura, tendo concluído que o seu gosto e género literário pende, essencialmente, para o thriller, terror, ficção científica e, principalmente, histórias de crime e mistério, sendo por isso, leitora de nomes como Agatha Christie e Stephen King.

     A autora de "Mors Tua, Vita Mea - A tua morte, a minha vida", é finalista da Licenciatura em Direito, em Coimbra, e no mesmo ano em que se torna finalista lança o seu blogue intitulado Livros de Vidro. 

     A transição do ano de 2014 para 2015 culminou com a edição da sua primeira experiência no mundo da escrita com um texto que teimava em ficar apenas no fundo de uma gaveta, mas que se espera não ser o último a sair de lá.

Citação do Dia - 28 de junho de 2016

"O que é que há, pois, num nome? Aquilo a que chamamos rosa, mesmo com outro nome, cheiraria igualmente bem."
William Shakespeare

segunda-feira, 27 de junho de 2016

#43 - Dá-lhe Letras

Autor: José Rodrigues dos Santos


A__     F__O__ __ __     D__    __Ó__U__


Qual é o livro?

Citação do Dia - 27 de junho de 2016

"Quem não vê bem uma palavra não pode ver bem uma alma."
Fernando Pessoa

Citação de Dia - 26 de junho de 2016

"Podemos ter muitas palavras para dizer uma coisa que aparentemente é a mesma, mas a verdade é que cada um a diz de uma forma diferente. É por isso que as possibilidades de reprodução do mundo pelas palavras são tantas."
José Luís Peixoto.

sábado, 25 de junho de 2016

#26 - Encapados




Qual é o livro?

Citação do Dia - 25 de junho de 2016

"As palavras são a nossa condenação. Com palavras se ama, com palavras se odeia. E, suprema irrisão, ama-se e odeia-se com as mesmas palavras!"
Eugénio de Andrade

sexta-feira, 24 de junho de 2016

#12 - Pistas Literárias

Pistas:

      - O autor é um jornalista e escritor britânico. Tornou-se blogger em 2013.

    - Este livro conta a história de duas gémeas de 6 anos. Uma delas morre acidentalmente quando cai de uma varanda.

     - A família acaba por mudar-se para uma ilha escocesa, mas um ano depois a gémea viva afirma que os pais cometeram um erro.

Qual é o livro?

Novidade da Planeta - "A Rapariga do Calendário: Janeiro, Fevereiro e Março" (A Rapariga do Calendário #1-3)

Novidade da Editorial Planeta


A Rapariga do Calendário
Livro 1 - Janeiro . Fevereiro . Março
(A Rapariga do Calendário #1-3)



De Audrey Carlan

Sinopse:


     Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. 1 milhão de dólares, para ser exacto.

     A vida do seu pai depende do pagamento desta dívida de jogo a um agiota. Tem um ano para a pagar e só vê uma solução: um trabalho bem remunerado como acompanhante de luxo.

     A sua missão é passar um mês com um cliente diferente, durante um ano. E o seu plano é entrar no jogo, conseguir o dinheiro e voltar a sair. Parte do plano é manter o coração fechado a sete chaves e os olhos no objectivo. Pelo menos é como espera que corra.

    Doze meses em que conhecerá o luxo, doze homens com doze estilos de vida, doze cidades diferentes, experiências sexuais e o amor da sua vida.

       Uma série sedutora, doce e tão escaldante que o seu livro pode derreter.


12 Meses. 12 Clientes. 1 Amor

     Audrey Carlan é autora best-seller do New York Times, USA Today, e Wall Street Journal. Escreve histórias de amor sensuais e eróticas de forma a dar ao leitor uma experiência romântica e sexy. Vive em California Valley com os dois filhos e o amor da sua vida. Quando não escreve, ensina ioga, bebe vinho com suas souls sisters ou está com o nariz enfiado num romance ímpio.


Opinião da Imprensa:

"Fresca, divertida, e incrivelmente sexy, a série A Rapariga do Calendário vai fazer com se apaixone uma e outra vez e morra de ansiedade por ler o próximo volume."_Meredith Wild, autora da série Hacker, nº1 do The New York Times


Citação do Dia - 24 de junho de 2016

"O bom de um livro é que se leia."
Umberto Eco

Citação do Dia - 23 de junho de 2016

"Todo o livro terminado é como um leão morto."
Ernest Hemingway

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Divulgação: "Um Anjo de Quatro Patas" - O Castor de Papel/4 Estações

Publicado pela O Castor de Papel

Um Anjo de Quatro Patas





De Walcyr Carrasco

Sinopse:


    Neste livro o escritor Walcyr Carrasco regista os momentos mais engraçados e comoventes vividos ao lado de Uno, um cão husky, para ele um companheiro e um amigo. Diz o autor:

Quando o meu amigo peludo chegou, eu amei-o naquele mesmo instante. Nos doze anos seguintes, eu e o Uno fomos fiéis companheiros um do outro. E recebi o amor incondicional que só os cães são capazes de oferecer.

A Verdadeira Amizade Entre um Homem e o seu Cão

    Walcyr Carrasco é escritor, cronista, dramaturgo e guionista. Publicou mais de trinta livros infanto-juvenis, assim como várias adaptações de clássicos, como A Volta ao Mundo em 80 Dias, de Júlio Verne, e Os Miseráveis, de Victor Hugo, esta premiada. Também escreveu várias peças de teatro para crianças e jovens. É ainda autor de romances para adultos, de sucesso: Pequenos Delitos, A Senhora das elas e Juntos para Sempre. Adaptou para a televisão o romance Gabriela, Cravo e Canela, de Jorge Amado. É um dos autores de novelas com mais êxito. São de sua autoria: Xica da Silva, O Cravo e a Rosa, Chocolate com Pimenta, Alma Gémea e Caras & Bocas. Dramaturgo premiado (Prémio Shell) pela peça Êxtase e também premiado (União Brasileira de Escritores) pela tradução e adaptação de A Megera Domada, de Sakespeare.

      É membro da Academia Paulista de Letras.

Citação do Dia - 22 de junho de 2016

"Um livro é uma versão do mundo. Se não te agrada, ignora-a e oferece a tua própria versão."
Salman Rushdie

terça-feira, 21 de junho de 2016

domingo, 19 de junho de 2016

Citação do Dia - 19 de junho de 2016

"Possui livros, mas não consintas que eles te possuam. Lê para viver, não vivas para ler."
Edward Bulwer-Lytton

#25 - Encapados




Qual é o livro?

Citação do Dia - 18 de junho de 2016

"Os que sabem ocupar-se em qualquer leitura útil e agradável nunca sentem o tédio que devora aqueles que vivem rodeados de delícias."
François Fénelon

#11 - Pistas Literárias

Pistas:

     - A escritora cresceu nos subúrbios de Ontário, no Canadá, e formou-se em Estudos Ingleses na Universidade de York.

   - Este é o primeiro livro de uma série cuja ação decorre durante o período universitário dos protagonistas, e em que cada volume é dedicado à história de um jogador de hóquei no gelo.

     - A protagonista feminina deste livro sonha vingar no mundo da música, e o protagonista masculino ambiciona o sucesso na área do desporto que pratica. 

Qual é o livro?

Citação do Dia - 17 de junho de 2016

"Quanto mais silêncio houver num livro, melhor ele é. Porque nos permite escrever o livro melhor, como leitor."
António Lobo Antunes

Citação do Dia - 16 de junho de 2016

"Mesmo os maus livros são livros, e por isso são sagrados."
Gunter Grass

#23 - Curi(livro)sidades

Sabia que...



...Lord Byron, célebre poeta inglês, tinha quatro gansos de estimação que o acompanhavam para todo o lado (incluindo reuniões sociais)?

Citação do Dia - 15 de junho de 2016

"Um dos principais deveres do homem é cultivar a amizade dos livros."
Thomas Carlyle

terça-feira, 14 de junho de 2016

Opinião sobre "Dicionário de Sonhos" - Pamela Ball

Dicionário de Sonhos
(Artigo de Opinião)


Autora: Pamela Ball
Título Original: Dream Dictionary & Record Book, A simple guide to interpreting your dreams (2016)
Tradução: Isabel Veríssimo
ISBN: 978-989-665-063-6
Nº de páginas: 352
Editora: ARENA


Sinopse


   Os sonhos podem dizer-nos muito sobre nós. Se quiser descobrir o que os seus sonhos estão a tentar dizer-lhe, deixe-se guiar por este livro que lhe oferece uma prática secção de A-Z com sonhos comuns e as ferramentas para a sua interpretação instantânea.

      Este livro será a sua chave para o conhecimento.

Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela ARENA em troca de uma opinião sincera



Opinião


     Começo por agradecer à ARENA pelo gentil envio do livro.

     "Dicionário de Sonhos" é um livro que se propõe, à partida, ajudar na interpretação e  no esclarecimento do intrincado mundo que desenvolvemos quando estamos inconscientes - o mundo dos sonhos.

    Primeiramente, é-nos apresentada uma introdução sobre a ligação dos sonhos com a nossa vida - o impacto que a compreensão dos sonhos pode ter no processo de autoconhecimento e na percepção de quem somos e do que nos rodeia. Pamela explica-nos o motivo de sonharmos, explicando-o como o processo que a nossa mente utiliza para analisar as informação, atitudes e acontecimentos do quotidiano.

    A autora diz ainda que a análise dos sonhos deve ser um método contínuo e evolutivo para que, com o tempo, possamos inclusive delinear alguns padrões sobre o que sonhamos, mas não esquecendo que a interpretação de sonhos deve ser um processo individual e adaptado pelo sonhador à sua própria experiência e percepção do mundo.

    Mas este livro não é apenas um dicionário de sonhos: é também um diário, um livro de registos, onde podemos apontar o tema e os dados do que sonhámos, para que seja mais fácil consultar os significados e proceder à sua dissecação. Organizados por ordem alfabética, podemos encontrar variados significados de múltiplos elementos - objetos, emoções, sentimentos, símbolos, etc. - que podem aparecer em sonhos e representar medos, esperanças, desejos, memórias e muitas outras coisas que nos permitem desenvolver uma visão mais clara de nós próprios.

     Partilho convosco o significado de sonhar com livros:
"Livro - A nossa busca de conhecimento e a capacidade de aprender com a experiência de ouras pessoas é simbolizada em sonhos com livros e bibliotecas. Sonhar com livros antigos representa sabedoria herdada e consciência espiritual. (...) Sonhar com livros mais práticos indica a necessidade ou a capacidade de cuidar dos nossos recursos."

    "Dicionário de Sonhos" é, assim, um livro de consulta que promete colaborar na demanda pela compreensão de quem somos, através da acepção das mensagens enviadas pelo nosso inconsciente durante o sono. E, embora seja eu algo céptica quanto à interpretação de sonhos, a verdade é que me diverti a tentar perceber um pouco melhor esse complexo mundo através da sua decifração, com a ajuda deste dicionário! Esta é uma bonita edição em capa dura que sugiro aos leitores que gostem - e pretendam descobrir melhor - deste (algo) místico mundo dos sonhos!

 Música que aconselho para acompanhar a leitura: The Scientist_Coldplay

Citação do Dia - 14 de junho de 2016

"Os livros não precisam de pilhas."
Nadine Gordimer

domingo, 12 de junho de 2016

#24 - Encapados




Qual é o livro?

Citação do Dia - 11 de junho de 2016

"Se amo alguns livros são aqueles em que sinto que o seu autor, que pode ter morrido séculos antes de eu ter sido engendrado, se dirigia a mim, a mim pessoal e concretamente, a mim em confidência."
Miguel Unamuno

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Novidade da Nuvem de Tinta - A Rapariga Que Sabia Demais

Novidade da Nuvem de Tinta
15 de Junho

A Rapariga Que Sabia Demais




De M. R. Carey

Sinopse:


     Melanie é uma menina muito especial. Tem 10 anos e adora ir à escola, aprender coisas novas, falar com a professora Justineau sobre todas as coisas que fará quando crescer...

     Mas a ida à escola implica aguardar todos os dias na sua cela que homens armados venham buscá-la para a levar, amarrada a uma cadeira de rodas, para a sala de aula. Brinca com eles, diz que não morde. Mas ninguém se ri.

    Melanie tem um dom, mas nem todos os dons são uma bênção. Uma Humanidade moribunda e irrecuperável é o palco de "A Rapariga Que Sabia Demais", um livro ambicioso e apaixonante cuja carga emocional esmagadora o destina a ser um dos romances mais marcantes do ano, que chegará também ao grande ecrã.
Nem todos os dons são uma bênção




Citação do Dia - 10 de junho de 2016

"O livro é um pássaro com mais de cem asas para voar."
Ramón Serna

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Opinião sobre "O Contador de Estórias" - DeMoura

O Contador de Estórias
(Artigo de Opinião)


Autor: DeMoura
ISBN: 978-989-8761-01-9
Nº de páginas: 200
1ª Edição - Setembro de 2014
Editora: 4Estações


Sinopse


    Com temas, cenários e personagens totalmente distintos, estes dez contos muito criativos formam, no seu conjunto, um painel multifacetado de um mundo terrível e maravilhoso, generoso e cruel, onde se cruzam vidas singulares, insignificantes, criativas, inúteis, bondosas e maléficas.

       Escrito num estilo informal, solto e com grande apelo visual, permitem ao leitor usufruir do texto quase como se assistisse a um filme ou ouvisse um relato oral.


Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela 4Estações em troca de uma opinião sincera


Opinião


      Agradeço à 4Estações Editora pelo gentil envio deste livro.

    "O Contador de Estórias" é uma coletânea de dez contos com temáticas diversas e originais, personagens pitorescas e cenários improváveis. Com um carácter mais pessoal ou moralizante, estas são "estórias" que divertem.

     O autor começa por contextualizar estes contos, evocando a imagem do tio Alexandre - a persona a quem atribui a origem deles e a quem se propõe homenagear com este livro -, recordando a infância e o prazer que era ouvir as histórias contadas de modo vibrante por esta figura tão peculiar e atrativa. Desprende-se emocionalmente delas ao frisar que, mesmo que estas sejam contadas na primeira pessoa, tal não implica que sejam verídicas - embora, ao longo do livro, o leitor possa tirar as suas próprias ilações sobre o que será, de facto, fruto da imaginação, e o que é baseado em experiências reais - como penso que será o caso do conto "O Prisioneiro". O certo é que a breve introdução consegue, à partida, despertar a curiosidade.

      O livro começa com "Miúra", um conto que permite refletir sobre a brutalidade das touradas, ao analisá-las sobre a perspetiva do próprio touro. Segue-se "O Ciúme", uma história que evidencia o impacto do ciúme e das deduções precipitadas, resultantes de um mal-entendido, numa relação amorosa. Gostei do final dado a este conto.

     "O Velho Marinheiro" narra a história de um pintor com uma carreira estagnada que busca inspiração e que, ao encontrá-la, esquece as noções morais e éticas, predispondo-se a tudo para garantir a imortalização daquela expressão do modelo. Já em "O Plágio", conhecemos um pintor que escreve, misteriosamente, dois contos de uma qualidade exacerbada - no final deste conto deparamo-nos, mais uma vez, com a fértil imaginação do autor, ao constatarmos a explicação encontrada para a escrita dessas duas obras maravilhosas.

      "Tia Rosa" relata a aventura de dois irmãos que, ao concretizarem uma viagem há muito desejada, se deparam com o cadáver da sua tia e se propõem levá-lo de volta a casa. São muitas as peripécias presentes neste conto, intercaladas com a visão de Gabriel, um carpinteiro, que acaba por também ter uma papel fundamental na grande aventura dos dois jovens.

      "Professor Napoleão" fala-nos de um professor que começa a perder a memória e, no desejo de recuperá-la, consulta um especialista que lhe apresenta uma proposta inovadora - a implantação de um chip no cérebro que promete, não só, a recuperação da memória, como também a capacidade de saber a resposta a todas as perguntas colocadas. Obviamente, nem tudo corre bem... Gostei do desfecho do conto e das possibilidades deixadas em aberto, ao juízo do leitor.

      "Zuluaga" apresenta-nos a história de um empreendedor e de um chefe da polícia que se deixam ludibriar pela possibilidade de ficarem ricos com um elixir que faz crescer cabelo. Este é um conto que evidencia como o desejo de riqueza pode enlouquecer um homem.

       "Una Birra Presto" é, talvez, o conto mais elaborado do livro. Começa por nos falar da infância de JB e do caminho percorrido por este até se tornar quem é hoje, um bem sucedido empresário. A primeira parte do conto é dedicada quase exclusivamente ao duro processo de ascensão de JB e à ajuda prestada por Gino - um marinheiro que o tratava como a um filho e que lhe deu as indicações e o apoio para que este se iniciasse no mundo dos negócios. Numa segunda fase, é importada uma nova personagem - um sagui que, ao fim de algum tempo a aprender os hábitos de JB, decide introduzir a sociedade capitalista na sua floresta virgem, tentando impôr aos animais o modo de vida dos humanos. Este conto permite-nos refletir sobre a forma como é gerida a nossa sociedade e sobre quais os valores que realmente importam.

     "O Pesadelo" foi uma das minhas histórias preferidas, possivelmente pela sua componente romântica e histórica. Conta a história de dois desconhecidos, unidos por uma inexplicável familiaridade, que acabam por se apaixonar. Um pesadelo é a chave que vem desvendar aquela estranha ligação de vidas passadas.

       "O Prisioneiro" é a história de um preso político. Passada nos tempos negros de Portugal, durante a ditadura Salazarista, retrata o sofrimento de um homem sujeito às brutalidades do sistema e da polícia política da época. Incute uma reflexão sobre o valor da liberdade através de um relato marcante e de grande intensidade.

    Por fim, com "Finalmente", o autor brinca com o leitor, jogando com a dicotomia entre passado e futuro - atravessando o presente - e leva-o a questionar-se sobre o que é, ou não, verdade.

       Alguns marcados com um ritmo mais lento e, outros, com um tom mais acelerado, o certo é que estes contos cumprem aquilo a que se propõem - divertem o leitor. Com uma escrita muito agradável - embora, por vezes, marcada por algumas expressões em português do Brasil, denotando o período que o autor lá passou - estas histórias acabam por guiar quem as lê num exercício de reflexão, transmitindo todas elas uma mensagem. O único reparo que tenho a fazer, prende-se com a capa: na minha opinião, esta poderia ter uma imagem mais apelativa, ajudando logo, à partida, na conquista do leitor.

    Acabei por gostar mais deste "O Contador de Estórias" do que inicialmente supus. Os contos conseguiram cativar-me e proporcionar-me bons momentos de leitura! Gostei!


 Música que aconselho para acompanhar a leitura: Litttle Bird_Ed Sheeran
(https://www.youtube.com/watch?v=YdOF_qYWx-s)

Citação do Dia - 09 de junho de 2016

"As ficções salvam os que as escrevem e os que as lêem."
Ernesto Sábato

quarta-feira, 8 de junho de 2016

#36 - Resultado do Passatempo: Livro "A Vida É Um Milagre" - Editora Pergaminho (Especial 1º Aniversário)

É com grande satisfação que anuncio o vencedor do passatempo realizado em parceria com a Pergaminho - o sorteio de um exemplar de "A Vida É Um Milagre", de Karen Henson Jones!



Este sorteio contou com 193 números a sorteio e o vencedor foi escolhido através do site random.org. E o números vencedor é o...


...114! Que corresponde à participação de Manuela (...) Colaço, de Vila Verde.

Parabéns à vencedora! Já foi enviado um e-mail para confirmar os dados do envio do prémio.

Novidade da Suma de Letras - "O Erro" (Off-Campus #2)

Novidade da Suma de Letras Portugal  
15 de Junho 

O Erro
(Off-Campus #2)



De Elle Kennedy

Sinopse:


     John Logan, universitário, pode ter as mulheres que quiser. Para esta estrela do hóquei a vida é um desfile de festas e engates. No entanto, por trás do seu sorriso matador e charme descontraído esconde-se um desespero crescente sobre o que terá de enfrentar depois de terminar o curso. Um encontro escaldante com a caloira Graça Ivers é, de facto, a distracção de que ele precisa. Mas, quando um erro impensado a afasta, Logan resolve gastar o seu último ano a provar-lhe que vale a pena uma segunda oportunidade.

     Agora terá de apostar mais alto...

   Depois de um ano como caloira, Grace está de volta à Universidade de Briae, mais velha, mais madura. E já não é a borboleta tranquila que era quando se envolveu com John. Se Logan espera que ela implore e rasteje a seus pés como todas as outras conquistas, pode esperar sentado. Quer tê-la de volta? Vai ter de trabalhar para isso. Desta vez, é Grace quem vai ao volante... e ela tenciona guiar de forma selvagem.

Um jogador de múltiplos recursos, que agora terá de apostar mais alto...
 
     Elle Kennedy é autora bestseller do The New York Times, do USA Today e do Wall Street Journal.

    Cresceu nos subúrbios de Ontário, no Canadá, e formou-se em Estudos Ingleses na Universiadade de York.

   Desde muito cedo quis ser escritora e começou a dar os primeiros passos nesta arte ainda na adolescência.

   Escreve romances de suspense e eróticos contemporâneos. Heroínas fortes e sensuais e heróis sexy e musculados são marca dos seus livros, temperados com muito «calor» e alguns perigos, pelo que, de facto, Elle Kennedy já conquistou um vastíssimo público leitor.


Opinião dos Leitores:

"Divertido, sexy, escrita fabulosa... ainda tenho o sorriso na cara!"

"O Erro é doce, sexy, engraçado e tem a medida exacta de emoção e sentimento!"

"Uma leitura que é um perfeito deleite."

"Adorei este livro!"

"Escrita maravilhosa, grandes personagens."

"Tão bom quanto o primeiro livro da série"

"Simplesmente, adoro esta série!"


Citação do Dia - 08 de junho de 2016

"Um romance... ou se escreve ou se vive."
Luigi Pirandello

terça-feira, 7 de junho de 2016

25 Questões ao Criador - Conhecendo melhor... Natalie K. Lynn

 Biografia:

     Carmen Silva e Maria Valente nasceram no mesmo dia, do mesmo mês do mesmo ano e à mesma hora. A paixão pelo jornalismo fez com que os seus caminhos se cruzassem no ano 2000, na Escola Superior de Comunicação Social. A partir daí as suas jornadas nunca mais se desentrelaçaram, primeiro como colegas de turma e depois de profissão. A Carmen na imprensa escrita e a Maria pelo mundo da rádio.

      À margem da profissão, partilham a mesma necessidade de conhecer o mundo e são por isso muitas as viagens que já fizeram juntas. Foi precisamente numa dessas viagens, algures pelas paisagens indonésias que decidiram avançar com a vontade que ambas, mais uma vez, partilhavam: escrever um livro… um romance no feminino.

  Uma vontade cuja semente lhes fora incutida pelas respetivas mães, ávidas leitoras do género, sobretudo de autoras anglo-saxónicas de renome.

    Em jeito de homenagem, apoderaram-se do nome das mães, já ausentes deste mundo, e da nacionalidade das autoras que estas tanto apreciavam. Grotescamente, uniram as “peças” soltas deste furto com a letra K de Karma, um termo característico das filosofias orientais, que para Carmen e Maria simboliza o “canto” do mundo onde estavam quando decidiram que era hora de colocar no papel as histórias que lhes fervilhavam na mente.

      Fruto desta mistura improvável nasceu o pseudónimo Natalie K. Lynn.



Começo por deixar aqui o meu agradecimento à Carmen e à Maria (Natalie) por terem aceite a entrevista e por toda a simpatia e sinceridade com que enfrentaram este pequeno desafio.


Entrevista:

Dream Pages (D.P.): 1_Quando começaram a escrever? O que vos levou a decidirem escrever a “quatro mãos”?
    Carmen Silva (C.S.): Começámos a escrever, mais ou menos, no início de 2014. Tudo aconteceu na primeira grande viagem que fizemos juntas. Foi em Bali, num restaurante de praia, ao final da tarde, que a meio da conversa uma lançou “olha, e se escrevêssemos um livro?” e a outra rematou “vamos a isso!”. Fazia sentido escrevermos um livro juntas porque os nossos estilos complementam-se: eu sou uma pessoa da ação e da narrativa e a Maria é mais do pormenor e da descrição.

   Maria Valente (M.V.): Nós conhecemo-nos no curso de jornalismo. O facto de termos escolhido esta área já mostra alguma simpatia pelas letras. Por outro lado, Bali foi de facto um virar a página para nós porque foi como se tivéssemos uma epifania.

D.P.: 2_Em que contexto surgiu o vosso livro “Júlia: Afinal, existem Príncipes Encantados!”? Como é que surgiu a oportunidade de o publicar?
    C.S.O “Júlia: Afinal, existem Príncipes Encantados!” foi a quarta obra que escrevemos, apesar de a ideia ou da filosofia subjacente a este livro ou, melhor, à coleção, nos acompanhar desde o início. Sabíamos que queríamos escrever contos de fadas modernos e para o público português. Mas na altura ainda não nos sentíamos preparadas para concretizar essa missão, pois a ideia, tal como nós, precisava de maturação. Afinal, nunca tínhamos escrito um livro na vida e a verdade é que quando chegávamos à frente do computador para começar a escrever, mesmo quando já tínhamos uma ideia sobre a história que queríamos contar, havia sempre aquele momento do “e agora?”, ou “como é que eu começo?”, etc. E a maneira que encontrámos para começar a ultrapassar este tipo de bloqueio inicial e a amadurecer foi realmente dar liberdade à imaginação e começar a escrever. Daí por exemplo, o nosso primeiro livro - “Odiar e Amar um Duque: Prisioneira do Destino - ser uma short story histórica ficcional ou o nosso segundo livro - “Nas Garras do Escorpião: o Deserto da Perdição” – se passar num deserto, num cenário completamente idealizado por nós. E foi assim que acabámos por ganhar maturidade para passar para o papel a ideia que tínhamos desde o início e que deu origem a este livro e à coleção que lançámos agora.

   M.V.Todas as obras que a Carmen referiu estão autopublicadas na Amazon, mas com o “Júlia: Afinal, existem Príncipes Encantados!” a ideia foi tentar publicar sob a égide de uma editora porque escrevemos esta história a pensar no público português e, por isso, o objetivo era chegar a este mesmo público. Fizemos uma pesquisa sobre editoras que publicassem livros vocacionados para o público feminino e, no meio desta pesquisa, deparámo-nos com a Chiado Editora. Enviámos a obra e uns dias depois recebemos a resposta em como iam publicar o nosso romance, o que nos deixou muito feliz.

D.P.: 3_De onde vêm as vossas personagens? Identificam-se com alguma delas?
     C.S.: As nossas personagens têm a sua própria identidade. No entanto, muitas vezes o ponto de partida são características de pessoas que conhecemos e até nossas, pois um dos nossos objetivos é tornar o romance o mais “real” possível, ou seja, queremos que as pessoas ao lerem, se identifiquem com esta ou aquela personagem. Não me identifico, em particular, com qualquer uma das personagens.

     M.V.: Eu confesso que há umas com que me identifico mais do que outras. A Leonor é demasiado certinha por exemplo, às vezes é irritante… (risos) Mas o desafio também é esse, escrever uma resposta ou uma atitude que nós nunca teríamos! Se eu fosse amiga da Julia acho que lhe tinha dado meia dúzia de berros de vez em quando…. (risos).

D.P.: 4_Como lidam com as críticas ao vosso trabalho?
     C.S.: Lidamos bem. Já sabemos à partida que não vamos agradar a gregos e a troianos e portanto vai sempre haver quem goste das nossas histórias e quem não goste. Escrevemos romances e queremos continuar a escrevê-los e para nós o importante é mantermo-nos fiel à nossa filosofia no que toca àquilo que achamos que um romance deve ser.

    M.V.: São importantes e valorizam o nosso futuro trabalho, na minha opinião. No geral têm sido muito positivas, mas é o que a Carmen diz, aqui escrevemos romances, livros, não jornais. É ficção, é romanceada e a linha que escolhemos é essa.

D.P.: 5_O que sentem quando escrevem? O que vos dá mais prazer na escrita? Qual é a maior dificuldade que sentem quando estão a escrever?
    C.S.: Estas questões que nos coloca não têm uma resposta “simples” porque dependem de múltiplos fatores. Por exemplo, da nossa mood naquele dia, do ponto da história em que estamos… Às vezes a maior dificuldade que sinto quando escrevo é conseguir acompanhar com as mãos o raciocínio, porque a história na minha mente desenvolve-se a uma velocidade mais rápida do que aquela a que consigo escrever. Mas outras vezes, a dificuldade é quase oposta, ou seja, chega-se a um ponto na história em que se fica ali uns momentos a pensar “e agora?”.

     M.V.: Eu “vejo” muito os locais que descrevemos, os tiques das personagens, às vezes dou por mim com um sorriso porque estou completamente dentro da história.
A maior dificuldade é que às vezes a inspiração chega a horas impróprias…  não escrevo quando tenho tempo na agenda, é impossível. É preciso haver um “clique” para começar.

D.P.: 6_Tem algum ritual de escrita? 
     C.S.: Não.

     M.V.: Tenho de estar sozinha e sem barulho.

D.P.: 7_Para além de escrever, qual é o vosso maior talento?
     C.S.: Essa é uma boa pergunta!

     M.V.: … mas a que não sabemos a resposta!

D.P.: 8_Consideram a escrita uma necessidade ou um passatempo?
    C.S.: Uma necessidade porque dou por mim a ter a mente povoada com várias histórias e algumas acho que vale a pena passar para o papel.

    M.V.: Um pouco de cada.

D.P.: 9_Preferem ler ou escrever?
   C.S.: Escrever.

   M.V.: Ai… posso escolher os dois?

D.P.: 10_O que pensam que seria do mundo sem livros?
    C.S.: Um mundo sem livros seria um mundo muito condicionado porque todas as vezes que lemos um livro, seja ele qual for, viajamos ou, melhor, o nosso espírito viaja, o nosso espírito alimenta-se, o nosso espírito vive, inclusive, algumas emoções que de outra maneira seria difícil de as experienciar.

   M.V.: Não é concebível. Não haveria histórias, sonhos, informação…

D.P.: 11_Qual é o vosso escritor favorito?
    C.S.: Jane Austen.

    M.V.: Não consigo escolher só um.

D.P: 12_Qual é o vosso livro preferido?
    C.S.: “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen.

    M.V.: Também não tenho só um. “A Insustentável Leveza do Ser” de Milan Kundera, “O Retrato de Dorian Gray” de Oscar Wilde e “O Perfume” de Patrick Süskind são alguns dos meus preferidos.

D.P.: 13_Houve algum livro que vos tenha feito olhar o mundo de forma diferente?
    C.S.: Sim, a “Profecia Celestina”.

    M.V.: Muitos… O “Ensaio sobre a Cegueira”, por exemplo.
D.P.: 14_Preferem o livro ou o filme?
    C.S.: Livro.

   M.V.: Livro, sem dúvida, 90 % das vezes acho que o filme não vai ao encontro do cenário que construí ao ler o livro e acabo por ficar desapontada.

D.P.: 15_Qual é a vossa música preferida?
    C.S.: Tenho várias e também depende muito do estado de espírito. Mas uma das minhas músicas preferidas é o “Get By” do Talib Kweli.

    M.V.: Só uma?!! Depende muito… tenho um carinho especial pelo “Cry me a River” cantado pela Ella Fitzgerald.


D.P.: 16_Costumam ouvir música quando estão a escrever?
   C.S.: Sim.

   M.V.: Não.

D.P.: 17_É fácil conciliar a escrita com o vosso trabalho e a vossa vida? 
   C.S.: Sim, para mim, é relativamente fácil.

   M.V.: Não, nada mesmo. Mas quem corre por gosto…

D.P.: 18_Qual é a vossa citação favorita?
   C.S.: "Dá a quem amas: asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar”, Dalai Lama.

  M.V.: “Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.” Antoine de Saint-Exupéry.

D.P.: 19_Quem/Qual é a vossa fonte inspiração?
   C.S.: A realidade.

   M.V.: Um pouco de tudo o que me rodeia, mas é difícil bater uma boa gargalhada.

D.P.: 20_Qual é o vosso maior sonho?
   C.S.: Poder escrever romances a tempo inteiro.

   M.V.: Dar a volta ao mundo num barco à vela!

D.P.: 21_Qual é o vosso lema de vida?
    C.S.: “Não faças aos outros aquilo que não gostas que te façam a ti”.

    M.V.: “Se não tentares nunca vais saber”.

D.P.: 22_Estão a trabalhar em novos projetos? O que podem adiantar sobre o próximo volume de "Amor, Amigas e Garrafas de Vinho"? O que podem os leitores esperar para o futuro?
    C.S.: Sim, estamos sempre a escrever “qualquer coisa”. Neste momento, para além de estarmos a acabar o segundo volume desta coleção, também temos outro romance quase terminado. Que será o primeiro volume de outra coleção que estamos a pensar iniciar relacionada com amor/romance em viagem.

    M.V.: Quanto ao próximo volume da coleção “Amor, Amigas e Garrafas de Vinho”, posso adiantar que durante o desenrolar do enredo do “Júlia: Afinal, existem Príncipes Encantados!” é apresentado o ponto de partida da próxima história a ser contada, que é a da Marta. Além disso, também há um vislumbre da história da Rita. Aquilo que podemos desvendar, de uma maneira muito sintética, é que a Marta vai apaixonar-se por um bad boy.

D.P.: 23_Onde podem os leitores adquirir o vosso livro?
   M.V.: Para além de o poderem adquirir no site da Chiado Editora, o “Júlia: Afinal Existem Príncipes Encantados!” pode ser adquirido, pelo menos, na Fnac e na Wook.

D.P.: 24_Alguns conselhos para os novos escritores?
    C.S.: Não desistam do vosso sonho!

    M.V.: “Se não tentares nunca vais saber”

D.P.: 25_E, por fim, qual é para vocês o maior segredo do Universo?
    C.S.: O pensamento positivo. Se pensarmos positivo e focarmos naquilo que realmente queremos, os pensamentos terão força para se tornarem realidade.

    M.V.: É segredo ;)
Para mais informações e para poder seguir o trabalho da escritora, visite a sua página no Facebook: https://www.facebook.com/writernatalieklynn