terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Novidade da Suma de Letras - "Anna e o Homem-Andorinha"

Novidade da Suma de Letras Portugal 

Anna e o Homem Andorinha




De Gavriel Savit



Sinopse:


    Uma história sobre a perda da inocência perante a tragédia. 

   Cracóvia, 1939. Um milhão de soldados marcham e mil cães ladram. Este não é um lugar para crescer. 

    Anna tem apenas sete anos no dia em que o alemães levaram o seu pai, professor de Linguística,, durante a purga de intelectuais na Polónia. Está sozinha quando encontra o Homem-Andorinha, um astuto trapaceiro, alto e estranho, com mais de um ás na manga; um impostor que consegue até que os soldados com quem se cruza só vejam aquilo que ele quer que vejam. 

   O Homem-Andorinha não é o pai de Anna - ela sabe-o bem -, mas também sabe que, como o seu pai, está em perigo e, tambémc omo o seu pai, tem o dom das línguas: fala russo, polaco, alemão iídiche e a linguagem dos pássaros. Quando o misterioso indivíduo consegue que uma bela andorinha lhe pouse na mão para que Anna deixe de chorar, a menina fica encantada. E decide segui-lo até onde ele for. 

   Ao longo da viagem, Anna e o Homem-Andorinha escaparão a bombas e a soldados e também farão amigos. Mas, num mundo louco, tudo pode ser um perigo. Também o Homem-Andorinha.

   Destinado a converter-se num clássico, Anna e o Homem-Andorinha revela as mais duras lições de vida, ao mesmo tempo que celebra as suas mais extraordinárias possibilidades.

Uma menina abandonada na noite da História.
Um homem misterioso com um talento especial para as palavras.
Uma viagem incrível.
Uma amizade acima de tudo.

     Gavriel Savit é escritor, actor e cantor e vive em Brooklyn.

     Anna e o Homem-Andorinha, o seu romance de estreia, foi um sucesso internacional.

     Vendido para mais de 13 países, foi muito bem recebido, tanto pela crítica como pelo público.

Opinião da Imprensa:

"Este romance profundamente comovente une, de forma magistral, a doçura infantil com o fundo cruel e inumano da Segunda guerra Mundial."_Publishers Weekly 

"Um primeiro romance brilhante. Um contador de histórias magistral."_The New York Times

"Uma história comovente e intrigante sobre a perda da inocência perante a tragédia."_Booklist

"Arrepiante e, ao mesmo tempo, terno."_People Magazine

"Brilhante, original, perspicaz."_Kirkus Reviews

"Excelente."_The Wall Street Journal

"Escrito com uma subtileza extraordinária, com uma estrutura inteligente e uma linguagem deliciosa, Anna e o Homem-Andorinha é uma leitura absorvente, emocionante e que convida à reflexão."_The Guardian

"Uma obra assombrosamente brilhante sobre a guerra, a sobrevivência e a humanidade. Remete-nos imediatamente para A Rapariga Que Roubava Livros e O Rapaz do Pijama às Riscas, com todo o potencial que estas comparações sugerem."_The Bookseller

"Tensa, emocionante, original e habilidosa. Esta escrita admirável cativará leitores sofisticados."_Sunday Times



Citação do Dia - 31 de janeiro de 2017

"Se eu fosse acreditar mesmo em tudo o que penso, ficaria louco."
Mário Quintana

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Opinião sobre "Uma Nova Promessa" (Trilogia Hotel das Recordações #3) - Nora Roberts

Uma Nova Promessa
(Trilogia Hotel das Recordações #3)
(Artigo de Opinião)



Autora: Nora Roberts
Título Original: The Perfect Hope (2012)
Tradução: Isabel C. Penteado
ISBN: 978-989-710-277-6
Nº de páginas: 320
Editora: Chá das Cinco

ATENÇÃO: esta opinião pode conter spoilers de livros anteriores


Sinopse


     Na família Montgomery, Ryder é o irmão mais difícil de decifrar e é conhecido pelo seu feitio antissocial, mas quando deita mãos ao trabalho, nenhuma mulher resiste ao seu apelo sensual. Exceto Hope Beaumont, a gerente que trabalha para ele no Hotel Boonsboro.

      Como ex-gerente de um hotel em Washington, Hope está habituada a excitação e glamour, mas isso não a impede de desfrutar dos prazeres de viver numa pequena cidade. Alcançou tudo o que queria - exceto na vida amorosa. A sua única interação com o sexo oposto são as constantes lutas com o exasperante dono, Ryder Montgomery. Mas ninguém consegue negar a química entre eles... que se incendeia ainda mais com um beijo na noite do Ano Novo.

     Quando tudo parece estar a correr bem no hotel graças à experiência de Hope, e surge no horizonte a promessa de felicidade, o seu passado na cidade regressa e faz-lhe uma visita indesejada. Ao ver Hope tão vulnerável, Ryder terá de decidir entre deixar-se afetar pelo passado ou ceder à paixão.

Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Chá das Cinco em troca de uma opinião sincera

Opinião

      Começo por agradecer à Chá das Cinco pelo gentil envio do livro.

      "Uma Nova Promessa" vem encerrar a trilogia Hotel das Recordações, centrada no restauro de um degradado hotel que sobreviveu à guerra civil. Depois de Beckett e Clare, Owen e Avery, é a vez de Ryder e Hope encontrarem o seu final feliz. Ao longo dos primeiros dois volumes, assistimos à árdua convivência entre os dois, e admito que aguardava com bastante curiosidade o volume dedicado à história deste casal.

    Ryder Montgomery é o irmão mais misterioso e fechado da família, o que apenas o torna mais atrativo e interessante. Com um grande sentido prático, gosta de manter as coisas num patamar simples, tanto a nível pessoal como profissional, assentando a sua vida numa linha de honestidade e clareza. Habituado a relações descomplicadas e sem compromisso, é com alguma confusão que vê entrarem no seu coração sentimentos despoletado por Hope.

   Hope Beaumont é uma rapariga organizada e pragmática, uma profissional exímia no que toca a providenciar aos seus hóspedes tudo o que necessitam para terem uns dias de sonho, garantindo que a sua estadia seja memorável. Desiludida com uma anterior relação fracassada, Hope tem algum receio de se deixar envolver no encanto que sente por Ryder, o Montgomery que a tenta ignorar desde o primeiro dia.

    Ao contrário dos protagonistas dos volumes anteriores - que tinham crescido juntos e, portanto, já tinham criados fortes laços de amizade -, Hope e Ryder conhecem-se apenas há alguns meses. É engraçado ver como se vai desenvolvendo a relação destes dois, sem pressões e sem pressas, e como o seu lado racional por vezes se perde no domínio sentimental. Ambos habituados a manter as coisas casuais, evitando assim novos desgostos amorosos, é com alguma relutância que vão admitindo o que sentem um pelo outro. Achei interessante que o carácter desta relação fosse tão diferente daquelas que conhecemos nos primeiros dois volumes, embora seja totalmente condizente com as personalidades práticas de Ryder e Hope.

    Gostei que a autora se tenha debruçado um pouco sobre o passado da Hope, pois queria saber mais sobre quem fora antes de assumir o cargo de gerente do Hotel das Recordações. Ao contrário da Clare e da Avery, que cresceram em Boonsboro, Hope era uma rapariga da grande cidade, habituada às noites festivas e aos luxos ostentosos de Georgetown. A grande mudança na sua vida, desencadeada por uma traição inesperada, vem mostrar-lhe que é possível ser feliz numa recatada vila de Maryland, num pequeno hotel de charme, rodeada pelas pessoas de que mais gosta e em quem sabe poder confiar.

    Em "Uma Nova Promessa", o hotel já está concluído e em funcionamento, pelo que a história se pode focar mais noutros aspetos. Gostei especialmente do plano familiar retratado com maior destaque neste último volume, com as reuniões em casa da Justine. Reencontramos os casais anteriores e acompanhamos a gravidez da Clare, bem como os preparativos para o casamentos e para o novo restaurante da Avery,

    Este é também o livro em que descobrimos finalmente a história de Lizzy. Depois de não ter achado necessária a sua existência no primeiro volume, e de, no segundo, ter começado a gostar do papel que desempenha, confesso que neste terceiro volume fiquei bastante satisfeita com o lugar que ocupa na trama. Agora que o hotel já está terminado, e mesmo que os Montgomery tenham sempre novos projetos em mãos graças à matriarca da família, achei que a participação e a busca pelo esperado amor desta fantasma foi uma lufada de ar fresco na história, principalmente devido à ligação que ela tem com os protagonistas.

    Depois de três volumes onde vimos o renascer de um hotel, assistimos ao desabrochar de três relações e conhecemos a pequena vila de Boonsboro, tenho de admitir que foi com alguma pena que me despedi destas personagens. Esta é a trilogia ideal para as pessoas que gostam de uma história leve e romântica, de leitura rápida, fresca e agradável. As personagens são interessantes, os cenários são belos e a escrita é cativante (sem falar do facto de as capas serem lindas!). Aconselho os leitores que gostam de um romance despretensioso e terno a passarem uns dias no "Hotel das Recordações", pois é muito fácil perdermo-nos nestas páginas! Gostei muito!

Opinião sobre outros livros de Nora Roberts:
 Música que aconselho para acompanhar a leitura: Down The Line_John Newman

#68 - Dá-lhe Letras

Autora: Elena Ferrante

__      __ __ __ __     __ __ __ __ L

Qual é o livro?

Citação do Dia - 30 de janeiro de 2017

"No edifício do pensamento não encontrei nenhuma categoria na qual pousar a cabeça. Em contrapartida, que belo travesseiro é o Caos!"
Emil Cioran

domingo, 29 de janeiro de 2017

Citação do Dia - 29 de janeiro de 2017

"Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens."
Fernando Pessoa

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

#24 - Pistas Literárias

Pistas:

      - A autora nasceu 1952, no Arizona. É licenciada em Zoologia, mestre em Biologia Marinha e doutorada em Ecologia. Foi professora universitária durante 12 anos, antes de se retirar para se dedicar exclusivamente à escrita.

    -  Em 1945, a protagonista, ex-enfermeira do Exército, regressa da guerra e está com o marido numa segunda lua-de-mel quando, inocentemente, toca num rochedo de um antigo círculo de pedras e é transportada para o ano de 1743, para o centro de uma escaramuça entre ingleses e escoceses.

     - A protagonista é confundida com uma prostituta por um capitão inglês - um antepassado e sósia do seu marido - e a seguir é sequestrada por um poderoso clã, que a julga espia ou feiticeira.


Qual é o livro?

Citação do Dia - 27 de janeiro de 2017

"As nossas quimeras são o que se parece mais connosco."
Victor Hugo

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Citação do Dia - 26 de janeiro de 2017

"O sonho é um túnel que passa por baixo da realidade. É um esgoto de água clara, mas não deixa de ser esgoto."
Pierre Reverdy

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Novidade da Chá das Cinco - "Uma Nova Promessa" (Trilogia Hotel das Recordações #3)

Novidade da Chá das Cinco


Uma Nova Promessa
(Trilogia Hotel das Recordações #3)


De Nora Roberts


Sinopse:


    Na família Montgomery, Ryder é o irmão mais difícil de decifrar e é conhecido pelo seu feitio antissocial, mas quando deita mãos ao trabalho, nenhuma mulher resiste ao seu apelo sensual. Exceto Hope Beaumont, a gerente que trabalha para ele no Hotel Boonsboro.

      Como ex-gerente de um hotel em Washington, Hope está habituada a excitação e glamour, mas isso não a impede de desfrutar dos prazeres de viver numa pequena cidade. Alcançou tudo o que queria - exceto na vida amorosa. A sua única interação com o sexo oposto são as constantes lutas com o exasperante dono, Ryder Montgomery. Mas ninguém consegue negar a química entre eles... que se incendeia ainda mais com um beijo na noite do Ano Novo.

     Quando tudo parece estar a correr bem no hotel graças à experiência de Hope, e surge no horizonte a promessa de felicidade, o seu passado na cidade regressa e faz-lhe uma visita indesejada. Ao ver Hope tão vulnerável, Ryder terá de decidir entre deixar-se afetar pelo passado ou ceder à paixão.

Livro três da Trilogia Hotel das Recordações

    Com mais de 200 milhões de cópias vendidas em todo o mundo e cerca de 90 bestsellers na lista do New York Times, Nora Roberts foi a primeira autora a ser convidada para o Romance Writers of America Hall of Fame. Nascida em Silver Spring, Maryland, é a mais nova de cinco filhos e vive em Keedysville, onde continua a escrever.


Opinião da Imprensa:

"Uma trilogia emocionalmente envolvente, excecionalmente divertida e contemporânea."_Booklist

"Maravilhoso e gratificante do início ao fim."_Rocky Mountain News



Citação do Dia - 25 de janeiro de 2017

"Os homens, enquanto não forem completos e livres, hão-de sonhar sempre de noite."
Paul Nizan

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Novidades da Saída de Emergência para Janeiro

"Uma Nova Promessa", de Nora Roberts

  Na família Montgomery, Ryder é o irmão mais difícil de decifrar e é conhecido pelo seu feitio antissocial, mas quando deita mãos ao trabalho, nenhuma mulher resiste ao seu apelo sensual. Exceto Hope Beaumont, a gerente que trabalha para ele no Hotel Boonsboro.

    Como ex-gerente de um hotel em Washington, Hope está habituada a excitação e glamour, mas isso não a impede de desfrutar dos prazeres de viver numa pequena cidade. Alcançou tudo o que queria — exceto na vida amorosa. A sua única interação com o sexo oposto são as constantes lutas com o exasperante dono, Ryder Montgomery. Mas ninguém consegue negar a química entre eles… que se incendeia ainda mais com um beijo na noite do Ano Novo.

   Quando tudo parece estar a correr bem no hotel graças à experiência de Hope, e surge no horizonte a promessa de felicidade, o seu passado na cidade regressa e faz-lhe uma visita indesejada. Ao ver Hope tão vulnerável, Ryder terá de decidir entre deixar-se afetar pelo passado ou ceder à paixão…

"À Boleia Pela Galáxia", de Douglas Adams

   Segundos antes de a Terra ser destruída para dar lugar a uma auto-estrada intergaláctica, o jovem Arthur Dent é salvo pelo seu amigo Ford Prefect, um alienígena disfarçado de actor desempregado e que se encontra a trabalhar numa nova edição do Guia Para Quem Anda à Boleia Pela Galáxia.


   Juntos, viajam pelo espaço na companhia do presidente da galáxia (ex-hippie, com duas cabeças e três braços), Marvin (robô paranóico com depressão aguda), e Veet Voojagig (antigo estudante obcecado com todas as canetas que comprou ao longo dos anos). Onde estão essas canetas? Porque nascemos? Porque morremos?  Porque passamos tanto tempo entre as duas coisas a usar relógios digitais?

   Se quer obter estas respostas, estique o polegar e apanhe uma boleia pela galáxia.

"Terrarium", de João Barreiros e Luís Filipe Silva
    Pode parecer estranho, mas e se pensássemos em tudo aquilo que a dor e o sofrimento são capazes de fazer pornós? E no facto de, por vezes, a melancolia e a angustia poderem estar na origem de grandes obras de arte e façanhas imensas?

   É partindo desta premissa – a de que as dificuldades e até as tragédias podem ser instigadoras de algo extraordinário – que Rubem Alves pensa, questiona e expõe, sempre vulnerável à beleza e à curiosidade, sobre temas tão universais como actuais: a vida, a educação, a natureza, a religião, a saúde mental, a política, o amor ou as crianças.

   Usando as suas próprias experiências pessoais, em textos curtos em que a prosa está repleta de poesia, e mantendo um diálogo com o leitor, Rubem Alves realça a sabedoria e o que há de mais belo nas coisas pequenas, reforçando a certeza de que até as grandes histórias de amor têm algo impermanente triste, e que sem o feio não existe o belo.

"Autoridade", de Jeff VanderMeer
     Após 30 anos, os únicos traços humanos detetados na Área X – uma estranha zona contaminada cercada de uma fronteira invisível e sem traços de civilização – são os que foram deixados por expedições sucessivas sob autoridade de uma agência tão secreta que quase foi esquecida.

    Face à tumultuosa 12.ª expedição narrada em Aniquilação, a agência tem um novo diretor nomeado, John Rodrigues, também conhecido por Control. A braços com uma equipa desesperada e frustrada por uma série de incidentes e vídeos perturbantes, Control começa a desvendar lentamente os segredos da Área X e dos mistérios narrados no primeiro volume, mas a cada descoberta que faz, é forçado a confrontar verdades sobre ele próprio e a agência que jurou servir.

Citação do Dia - 24 de janeiro de 2017

"O despertar dá aos sonhos uma fama que eles não merecem."
Paul Valéry

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

#67 - Dá-lhe Letras

Autora: Laini Taylor

__ __ __ __ __     __ __     __ __ __ __ __     __     __ __ __ __ __ __ __ 

Qual é o livro?

Citação do Dia - 23 de janeiro de 2017

"O que há de mais reles nos sonhos é que todos os têm."
Fernando Pessoa

domingo, 22 de janeiro de 2017

Citação do Dia - 22 de janeiro de 2017

"De todos os sonhos do homem, a única coisa que não falhou foi o sonho. E é por isso que ele continua."
Vergílio Ferreira

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

#23 - Pistas Literárias

Pistas:

      - A autora nasceu na Jamaica, em 1972.

    -  A protagonista é uma jovem que tem uma doença rara que a impede de sair de casa. Vive tranquilamente na companhia da mãe e da enfermeira, até que um rapaz vestido de preto se muda para a casa ao lado da sua.

     - Após cruzarem olhares pela primeira vez, torna-se impossível para a protagonista voltar à velha rotina e ignorar o fascínio do exterior - mesmo que isso ponha a sua vida em risco.


Qual é o livro?

Citação do Dia - 20 de janeiro de 2017

"O sonho é a pior das drogas, porque é a mais natural de todas."
Fernando Pessoa

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Novidade da Planeta - "O Protector"

Novidade da Editorial Planeta

O Protector




De Jodi Ellen Malpas



Sinopse:


    Camille Logan é uma famosa modelo, filha de uma família rica, que é alvo de ameaças anónimas. Jake Sharp é um ex-sniper do SAS, que trabalha como guarda-costas e que foi contratado pelo pai de Camille para a proteger.

     Toda a gente pensa que ele tirou as medidas a Camille: uma menina do papá mimada e bonita que usa a conta bancária do pai para financiar o estilo de vida que leva. Mas Camille é muito mais do que parece à primeira vista e está determinada a viver livre de amarras. Quando descobre que a sua vida está a ser ameaçada em consequência da maneira implacável como o pai gere os negócios, não tem outro remédio senão preparar-se para as medidas que ele vai tomar para a proteger. Mas nada poderia prepará-la para o ex-sniper do SAS que entra de rompante na sua existência.

   Jake Sharp vive o seu inferno privado. Já uma vez se deixou distrair do seu dever e as consequências foram devastadoras, pelo que jurou nunca mais permitir que voltasse a acontecer. Ser o guarda-costas de Camille não é o género de distracção dos seus demónios que devia aceitar – as mulheres e Jake não combinam bem –, mas proteger a herdeira parece ser o menor de dois males.

   Jake não tarda a descobrir a verdadeira Camille. É uma jovem terna e compassiva, a sua presença apaziguadora, e o dever de protegê-la depressa vai mais longe e mais fundo do que um trabalho bem pago. Jake precisa de absolvição. Acaba por precisar de Camille. Mas sabe que não pode ter ambas.

O Protector tem os ingredientes necessários para apaixonar de novo as leitoras.
Um livro viciante, uma história de amor com personagens surpreendentes.

     Jodi Ellen Malpas nasceu em Northampton, onde vive com a família. Enquanto trabalhava na empresa de construção do pai, foi cimentando a trama da trilogia e criou a personagem de Jesse Ward. 

   Em 2012 decidiu autopublicar O Amante, o primeiro livro da série Este Homem, e a resposta maciça das leitoras motivou-a a terminar a trilogia. Catapultada para o número 1 do New York Times, a trilogia Este Homem converteu-se no fenómeno do ano, coroando Jodi Ellen Malpas como a nova rainha do romance erótico.
Mais de um milhão de leitoras apaixonaram-se por Jesse, Miller... e agora por Jake.


Citação do Dia - 19 de janeiro de 2017

"Nada é mais real que um sonho. As responsabilidades não precisam de o apagar. Os deveres não precisam de o obscurecer. Porque o sonho está dentro de ti, ninguém o pode tirar."
Tom Clancy

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Citação do Dia - 18 de janeiro de 2017

"Cada dia da minha vida é o dia mais infeliz da minha vida. Cada sonho é o sonhos mais belo que eu tive."
Fernando Pessoa

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Opinião sobre "Último Amor" (Trilogia Hotel das Recordações #2) - Nora Roberts

Último Amor
(Trilogia Hotel das Recordações #2)
(Artigo de Opinião)



Autora: Nora Roberts
Título Original: The Last Boyfriend (2012)
Tradução: Isabel C. Penteado
ISBN: 978-989-710-267-7
Nº de páginas: 320
Editora: Chá das Cinco

ATENÇÃO: esta opinião pode conter spoilers de livros anteriores


Sinopse


     Owen é o gestor do clã Montgomery e dirige o negócio de família com uma mão de ferro e uma folha de cálculo inflexível. E embora os seus irmãos passem a vida a repreendê-lo pela gestão obsessiva, a verdade é que o Hotel Boonsboro está prestes a ser inaugurado na data prevista. A única coisa que não foi planeada por Owen chama-se… Avery MacTavish.

    A popular pizaria de Avery é mesmo do outro lado da rua, o que lhe permite ser testemunha da fantástica renovação do hotel – e apreciar o trabalho admirável de Owen. O facto de ele ter sido o seu primeiro namorado na adolescência só torna a situação mais interessante. Sem saber como, sente uma nova atração nada inocente a despertar por ele.

    À medida que Avery e Owen iniciam um novo patamar na sua relação, a inauguração do hotel é pretexto para toda a cidade entrar em celebração. Mas o trabalho de Owen está longe de terminado.
Avery tão cedo não irá baixar a guarda, nem perceber que o seu primeiro amor poderá bem ser o último…


Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Chá das Cinco em troca de uma opinião sincera

Opinião

      Começo por agradecer à Chá das Cinco pelo gentil envio do livro.

    Depois de "O Hotel das Recordações", o primeiro livro da trilogia dos irmãos Montgomery e que se foca especialmente em Beckett, chega "Último Amor", que se dedica ao irmão mais novo da família, Owen. Apesar de ter apreciado a leitura do primeiro volume, confesso que gostei bem mais deste, não só pela história mas, principalmente, pelos protagonistas.

    O hotel da pequena cidade de Boonsboro está quase concluído e, com a data de inauguração a chegar, os Montgomery não têm mãos a medir no ultimar dos pormenores, para que tudo seja perfeito. Owen Montgomery, o caçula da família e o responsável por manter tudo organizado e sob controlo, anda extremamente atarefado com os preparativos para a inauguração. No entanto, continua a dedicar o tempo das pausas para os amigos e para a família, nomeadamente para Avery MacTavish, a dona da pizaria que fica em frente ao hotel e que é o ponto de encontro de grande parte da cidade.

      Avery e Owen conhecem-se desde crianças, e até já foram namorados na infância. Mas, ao crescerem, esse amor inocente foi substituído por uma amizade sólida e um carinho especial. No entanto, o sentimento adormecido vai despertar, e cabe-lhes a eles decidir se estarão prontos para aceitar a chance de construírem uma vida a dois e se conseguem dar o suficiente para a manter.

     O facto de os protagonistas se conhecerem desde crianças faz com que o amor deles não pareça repentino, mas sim o resultado de vários anos de convivência e amizade. Gostei bastante da Avery, uma mulher independente, enérgica, sempre pronta para ajudar os outros e aceitar novos desafios. O facto de ter crescido sem a mãe tornou-a uma mulher mais cautelosa no campo afetivo e, tal como Owen, tem medo de que, ao assumir uma relação amorosa, possa estragar anos de uma boa e sólida amizade.

    Owen é um homem obcecado com a ordem e que acredita que a organização é a solução para todos os problemas, e é engraçado ver o caos entrar na sua vida em forma de Avery. As cenas entre os dois são tão espontâneas e genuínas, que a leitura evolui a um ritmo acelerado de modo natural.

    O fantasma do hotel ganha mais destaque neste livro mas, contrariamente ao primeiro volume, gostei da sua presença. Enquanto que em "O Hotel das Recordações" achei a participação de Lizzy um pouco forçada e desnecessária, neste segundo livro ela assume um papel mais ativo e interessante. Também gostei de reencontrar o Beckett e a Clare, embora agora num plano secundário, e de ver como prosseguiu a sua vida a dois após o término do primeiro livro.

      Encontramos alguns desenvolvimentos paralelos que se vão entrelaçando no decurso da história e que acabam por enriquecê-la. Temos um veio mais dramático, mas que não é exagerado, e temos algumas situações caricatas que provocam boas gargalhadas!

    Achei engraçado o facto de termos acompanhado o restauro do hotel, desde um velho edifício abandonado e degradado até um espaço de luxo e conforto. As descrições detalhadas mantêm-se e permitem ao leitor imaginar verdadeiramente o ambiente descrito. Estava com um pouco de receio que a autora voltasse a detalhar exaustivamente o hotel e que isso se tornasse um pouco repetitivo, mas felizmente tal não aconteceu, para além de que os dois livros decorrem em espaços temporais diferentes, ou seja, o hotel encontra-se em diferentes estádios de recuperação.

    "Último Amor" mantém o registo leve e agradável a que já nos habituámos em "O Hotel das Recordações". Continuamos a acompanhar a pequena cidade de Boonsboro e alguns dos seus habitantes, enquanto desvendamos um doce primeiro e último amor. A escrita é irrepreensível, as personagens são interessantes e a história deixa ainda algumas pistas sobre uma hipotética relação entre Ryan e Hope. Estou desejosa de pegar em "Uma Nova Promessa" e descobrir como será a (de certeza) intensa história entre estes dois... Gostei!

Opinião sobre outros livros de Nora Roberts:
 Música que aconselho para acompanhar a leitura: Down The Line_John Newman

Citação do Dia - 17 de janeiro de 2017

"Eu sonho um sonho que me sonha de volta para mim."
Toni Morrison

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

#66 - Dá-lhe Letras

Autora: Lara Adrian

__ __ __    __ __ __ M     __ __     __ __ __ - __ __ __ __  

Qual é o livro?

Citação do Dia - 16 de janeiro de 2017

"Cada pessoa é apenas o seu sonho de si próprio."
Fernando Pessoa

domingo, 15 de janeiro de 2017

Novidade da Arena - "O Livro das Coisas Boas"

Novidade da Arena

O Livro das Coisas Boas



De Marta Spínola



Sinopse:


    Gosta de cinema, música, de ler e passear? Tem memórias para contar? Gostava de poder abraçar todas as coisas que lhe abrem um sorriso? Neste livro vão caber todas as coisas boas que entender. Tome nota dos seus gostos, memórias e desejos, e guarde-os para sempre. Tenha tudo à mão: a receita que viu ontem na tv e vai fazer hoje, o filme que quer ver, a viagem que está a preparar. Guarde fotografias e recortes, escreva memórias, use e abuse de fita-cola, clips ou agrafes – neste livro tudo é permitido -, lembre momentos como quiser. Aqui nunca ficará sem bateria ou correrá o risco de apagar alguma coisa sem querer.



Citação do Dia - 15 de janeiro de 2017

"Os sonhos falam em nós o que nenhuma palavra sabe dizer."
Mia Couto

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Opinião sobre "Um Ano Inesquecível" - Paula Pimenta, Babi Dewet, Bruna Vieira e Thalita Rebouças

Um Ano Inesquecível
(Artigo de Opinião)


Autoras: Paula Pimenta, Babi Dewet, Bruna Vieira e Thalita Rebouças
Adaptação: Anabela Macedo
ISBN: 978-972-23-5926-9
Nº de páginas: 360
Editora: Editorial Presença


Sinopse

      A cada estação do ano corresponde uma história típica do quotidiano de qualquer adolescente: as vivências, asemoções, os problemas, as dúvidas, os amores, as desilusões... momentos inesquecíveis e surpreendentes que deixam suaves memórias para mais tarde recordar. Este é um livro sobre esses instantes: uma fascinante viagem de inverno e uma paixão inesperada (Paula Pimenta), um outono decisivo (Babi Dewet), uma paixão que floresce com a primavera (Bruna Vieira) e um amor ardente de verão (Thalita Rebouças). Quatro histórias escritas a quatro mãos sobre jovens que experimentam vivências e sentimentos tão intensos que dificilmente irão esquecer.

Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Editorial Presença em troca de uma opinião sincera


Opinião

       Começo por agradecer à Editorial Presença pelo gentil envio do livro.

     "Um Ano Inesquecível" é um livro composto por quatro contos - um dedicado a cada estação do ano -, sendo que Paula Pimenta mostra como é possível amadurecer durante uma viagem à neve; Babi Dewet conta a história de um amor doce e da importância da música na nossa vida; Bruna Vieira fala sobre as dificuldades no estudo e sobre as opções de vida; e Thalita Rebouças narra um amor de verão intenso e divertido.
Inverno

       Na estação mais fria do ano, que coube à escritora Paula Pimenta, embarcamos em "Enquanto a Neve Cair". Gostei da história em si, do ambiente e da escrita da autora, mas achei a protagonista demasiado mimada e egoísta.

       Tudo começa quando os pais de Mabel a obrigam a ir passar uma semana de férias ao Chile, para esquiarem na neve, quando ela preferia passar esse tempo com os amigos, na piscina. Contrariada, Mabel não se esforça minimamente para aproveitar as férias em família e, ajudada pelas circunstâncias, mete-se em vários sarilhos. E é então que conhece Ben, um rapaz que pode fazê-la mudar de ideias e ajudá-la a ver que, afinal, a neve pode ser divertida.

      Percebo que a intenção da autora seja demonstrar a importância que os adolescentes atribuem às redes sociais, e o sentimento de incompreensão, porém achei que isso foi levado até ao exagero, de forma a que, por vezes, durante a leitura, me senti aborrecida com o egoísmo e a futilidade da Mabel. Por outro lado, gostei bastante do Ben e do Dudu, o irmão de Mabel.

      Este é um conto sobre amizade, amor não correspondido e corrosivo na juventude, redes sociais, mas, acima de tudo, sobre encontrar o amor onde menos se espera e, no conjunto, acho que é uma boa história!

Outono

      Segue-se a história de Babi Dewet, "O Som dos Sentimentos", que acontece durante o outono.

      Esta é uma história com muita música. Ana Júlia vê-se obrigada a frequentar um estágio num escritório de advocacia no período da tarde do último ano do Ensino Médio. Pressionada pelos pais pouco permissivos para seguir Direito, a jovem vai de metro até à avenida Paulista, onde passa, dia após dia, por um jovem músico.

      João Paulo é um rapaz que decide cantar e tocar guitarra em frente ao Museu de Arte de São Paulo, na avenida Paulista, na esperança de sensibilizar as pessoas com a sua música e conseguir dinheiro para uma Associação de Animais. Quando vê uma jovem com madeixas azuis passar por ele, de fones nos ouvidos, sem sequer notar a sua presença, fica curioso.

      E os dois jovens vão-se conhecendo, durante os poucos minutos que têm por dia para conversar. A história é bastante simples e as personagens são adolescentes comuns, com os seus afazeres e normais preocupações sobre o futuro. Gostei bastante do papel da música na história, mas achei que por vezes tudo era um pouco repetitivo e com pouco desenvolvimento: tudo gira à volta dos breves encontros do casal. Gostava que alguma coisas tivessem sido melhor desenvolvidas, mas gostei da história e lê-se muito bem!

Primavera

       Segue-se "A Matemática das Flores", de Bruna Vieira, que decorre durante a primavera.

    Conhecemos Jasmine, uma sonhadora rapariga de dezassete anos que se prepara para chumbar a matemática. Vendo-se na possibilidade de ser impedida de prosseguir os estudos juntamente com os amigos, Jasmine começa a desesperar. E eis que o professor Carvalho lhe fala em aulas de recuperação para a prova final que, devido a um imprevisto, lhe serão ministradas por David, um estudante universitário.

     Existe uma conexão imediata entre Jasmine e David, que aproveitam a semana de explicações para se conhecerem melhor, mas nem tudo vai correr bem...

          Este foi o conto de que gostei mais. É muito jovial e diversificado, pois debruça-se sobre várias temáticas da adolescência, para além da questão do romance, tais como as escolhas de carreira,  a importância de amizades sólidas, a necessidade de atenção, a relação com os pais, com os professores e com os colegas. Além disso, a escrita de Bruna é muito agradável, e o facto de ser narrado na primeira pessoa facilita a empatia com Jasmine, Uma boa leitura!

Verão

     Chega por fim o verão, com "Amor de Carnaval", de Thalita Rebouças.

    Como o título indica, esta é uma história que se decorre durante o Carnaval brasileiro, mas que começa na passagem de ano, quando conhecemos o grupo de melhores amigas que são as protagonista deste divertido conto.

     Inha (Flávia), Cacá (Carina) e Tati (Tatielly) são as três melhores amigas, mas não podiam ser mais diferentes! Inha tenta recompor-se de uma desilusão amorosa; Cacá quer casar com um princípe; e Tati só quer ser famosa, e encontra a oportunidade perfeita quando o irmão começa a namorar com Keilinha Kero-Kero, a funkeira sensação do momento.

     Tudo muda quando vão passar o Carnaval no camarote VIP do Sapucaí, o sambódromo do Rio de Janeiro, e Inha choca contra Guima, um rapaz lindo que pode ser a solução para esquecer Alex, o seu ex-namorado...

    Achei a escrita de Thalita super divertida, uma vez que o narrador vibra com a história e faz comentários engraçados sobre os acontecimentos, especialmente nos momentos de maior tensão. Este é um conto sobre  a amizade, o amor, mas também sobre o impacto dos media (nomeadamente os tablóides) e das redes sociais na vida das celebridades e dos adolescentes. Gostei!

* * *

   Apesar de serem contos, acho que alguns aspetos das histórias poderiam ter sido melhor desenvolvidos. Todas as histórias se desenrolam à volta da componente romântica que, na minha opinião, é sempre um pouco forçada, uma vez que os protagonistas se conhecem e ficam quase automaticamente apaixonados.

     Algo comum a todos os contos e de que gostei foi o amadurecimento das personagens, à medida que vão percorrendo o seu percurso e conhecendo mais de si mesmas.

     Em suma, este é um livro escrito para jovens e, embora cheio de clichês e de amores espontâneos à primeira vista, fala sobre vários dos problemas com que os adolescentes se deparam nesta fase das suas vidas. Numa edição bonita e colorida, "Um Ano Inesquecível" é uma leitura leve, agradável e divertida, que faz reviver a inocência da juventude.

 Música que aconselho para acompanhar a leitura: Elle King_Ex's and Oh's

#22 - Pistas Literárias

Pistas:

      - A autora nasceu em Omaha, no Nebraska, em 1973.

    -  A protagonista e a sua irmã gémea refugiaram-se na obra de um escritor quando eram miúdas, e na verdade foi isso que as salvou da ruína emocional que foi a perda da mãe.

   - Ler, interagir em fóruns, escrever ficção baseada nessa obra e vestir-se como as personagens são fantasias que deixam de fazer sentido quando se cresce. Mas enquanto a irmã consegue deixar tudo isso para trás, a protagonista não consegue fazê-lo.


Qual é o livro?

Citação do Dia - 13 de janeiro de 2017

"Uma impressão passou por mim, como esses fragmentos de sonhos fugitivos que tentam sair do sonho a fim de nos revelar o sonho inteiro."
Patrick Modiano

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

25 Questões ao Criador - Conhecendo melhor... Elle Kennedy/25 Questions to Creator - Knowing more about Elle Kennedy

Biografia:



    Elle Kennedy é autora bestseller do The New York Times, do USA Today e do Wall Street Journal.

    Cresceu nos subúrbios de Ontário, no Canadá, e formou-se em Estudos Ingleses na Universiadade de York.

   Desde muito cedo quis ser escritora e começou a dar os primeiros passos nesta arte ainda na adolescência.

   Escreve romances de suspense e eróticos contemporâneos. Heroínas fortes e sensuais e heróis sexy e musculados.

Entrevista:

Dream Pages (D.P.): 1_Quando começou a escrever?
    Elle Kennedy (E. K.): Escrevo desde que me lembro. Comecei por escrever pequenas histórias quando era pequena, que, eventualmente, acabaram por se transformar em romances completos.

D.P.: 2_De onde vêm as suas personagens? Identifica-se com alguma delas?
    J. R. J.Identifico-me totalmente com as minhas personagens. Todas elas têm um leque diverso de características e de traços próprios, sejam eles o sarcasmo ou o gaguejar nervoso, que são traços que eu também tenho. De onde vêm... na verdade, são um pouco disto e um bocadinho daquilo. Umas vezes é sobre criar o perfil adequado para uma certa personagem, e outras é só porque estou interessada em escrever um determinado tipo de personalidade, como a "menina certinha" ou o "bad boy".

D.P.: 3_Como lida com as críticas ao seu trabalho?
     E. K.: Eu tenho as costas largas e não espero que todos adorem cada livro que escrevo. Mas tento não me focar na negatividade. Felizmente, recebo muita energia positiva dos meus fãs, e é isso o que me motiva a escrever.

D.P.: 4_O que sente quando escreve? O que lhe dá mais prazer na escrita? Qual é a maior dificuldade que sente quando está a escrever?
     E. K.: Eu experiencio todo o tipo de emoções quando estou a escrever. Se tenho de matar uma personagem, posso estar em lágrimas. Se for uma cena realmente divertida, posso estar a sorrir o tempo todo. No entanto, a coisa mais difícil é, sem dúvida, matar uma personagem que adoro.

D.P.: 5_Tem algum ritual de escrita?
     E. K.: Nem por isso. Eu prefiro escrever em silêncio, para não me distrair, o que, por vezes, pode ser difícil quando temos um cão grande. (Risos)

D.P.: 6_Onde é que costuma escrever?
     E. K.: Tenho um escritório incrível, com estantes de parede a parede, que é bastante relaxante, mas depende do meu humor ou do clima. Durante o verão, escrevo no meu deque. Mas, muitas das vezes, acabo por escrever no meu sofá.

D.P.: 7_Para além de escrever, qual é o seu maior talento?
     E. K.: Não sei se será o meu maior talento, mas tenho uma grande inclinação para a música. Toco guitarra e piano e, ocasionalmente, mudo as letras das músicas da rádio para as fazer falar sobre o meu cão.

D.P.: 8_Considera a escrita uma necessidade ou um passatempo?
     E. K.: Ambos. Eu adoro escrever e irei sempre fazê-lo, mesmo que seja só para mim mesma. Mas também escrevo para sobreviver, por isso acho que também é uma necessidade.

D.P.:9_Prefere ler ou escrever?
     E. K.: Eu não consigo escolher entre os dois. Eu adoro ler, e tenho uma quantidade ridícula de livro, mas também dou por mim a escrever por diversão entre livros sob contrato.

D.P.:10_Qual o género literário que prefere ler?
     E. K.Leio principalmente thrillers ou ficção criminal.
    
D.P.: 11_Qual o género literário que prefere escrever?
     E. K.Adoro escrever suspense  romântico, mas, por vezes, torna-se cansativo. Então, para quebrar a rotina, gosto de escrever alguns livros contemporâneos e divertidos pelo meio.

D.P.: 12_O que pensa que seria do mundo sem livros?
     E. K.Sóbrio. Os livros permitem-nos não só aprender, mas também imaginar. Os livros consegues levar-nos para lugares diferentes e fazem de nós pessoas diferentes. Um mundo sem livros seria um local onde não quereria viver.

D.P.: 13_Qual é o seu livro preferido?
     E. K.Se tivesse de escolher um, seria provavelmente "Wanderlust", de Danielle Steel. Eu já li este livro tantas vezes que acabei por ter de o substituir em várias ocasiões.

D.P.: 14_Qual é o seu escritor preferido?
     E. K.: Não consigo escolher só um! Mas Stephen King está, definitivamente, no topo dessa lista.

D.P.: 15_Qual é a sua personagem preferida?
     E. K.Não consigo escolher só uma!

D.P.: 16_Prefere o livro ou o filme?
     E. K.O livro, sem qualquer dúvida.

D.P.: 17_Qual é a sua música favorita?
     E. K.São demasiadas para conseguir referi-las!

D.P.: 18_Costuma ouvir música quando está a escrever?
     E. K.Não, eu preciso do silêncio. Mas no resto do tempo, eu sou toda da música.

D.P.: 19_Qual foi a sua primeira reação ao ver os seus livros à venda numa livraria/centro comercial?
     E. K.Fiquei emocionada! Foi absolutamente incrível ver todo o meu trabalho árduo a sair para o mundo. É a sensação mais incrível!

D.P.: 20_Como é que mudou a sua vida mudou desde que publicou o seu primeiro livro?
     E. K.Isso permitiu-me escrever a tempo inteiro, que é tudo o que eu sempre quis.

D.P.: 21_Qual é a sensação de saber que muitas pessoas, no seu país e em países diferentes, leram os seus livros?
     E. K.É incrível! Sou tão grata por ter fãs tão fantásticos, não só na América do Norte, mas também no resto do mundo. Devo um grande obrigado a todos os leitores por levarem os meus livros a tantos países.

D.P.: 22_Qual foi o último livro que leu? E ainda se lembra de qual foi o primeiro?
     E. K.O último livro que li foi o 22.11.63, de Stephen King. E não me consigo lembrar de qual foi o primeiro.

D.P.: 23_Descreva-se em cinco palavras.
     E. K.Silenciosa, sarcástica, humilde, determinada e peculiar-

D.P.: 24_Está a trabalhar em novos projetos? O que podem os leitores esperar para o futuro?
     E. K.Estou sempre a trabalhar em novos projetos! Neste momento estou a escrever uma série young adult (The Royals) com Jen Frederick, sob o pseudónimo de Erin Watt, bem como a trabalhar no spin-off da série Off-Campus.

D.P.: 25_Alguns conselhos para os novos escritores?
     E. K.Sigam os vossos sonhos!

D.P.: 26_E, por fim, qual é para si o maior segredo do Universo?
     E. K.Estás a perguntar à pessoa errada. Eu não sei nada, John Snow.


Opiniões sobre livros de Elle Kennedy:
O Pacto (Off-Campus #1)
O Erro (Off-Campus #2)



Para mais informações e para poder seguir o trabalho da escritora, visite a sua página no Facebook: https://www.facebook.com/AuthorElleKennedy




Biography:

New York TimesUSA Today and Wall Street Journal bestselling author, Elle Kennedy grew up in the suburbs of Toronto, Ontario, and holds a B.A. in English from York University. From an early age, she knew she wanted to be a writer, and actively began pursuing that dream when she was a teenager.

Elle writes romantic suspense and erotic contemporary romance for various publishers. She loves strong heroines and sexy alpha heroes, and just enough heat and danger to keep things interesting!


First of all, I want to thank Elle for acepting this interview and for all the kindness and sincerity with that she deal with this little challenge.


Dream Pages (D.P.): 1_When did you start to write?
     Elle Kennedy (E. K.)I’ve been writing for as long as I can remember. I started writing short stories as a kid, and eventually moved on to full-length novels.

D.P.: 2_Where did your characters come from? Do you identify yourself with them?
     E. K.I totally identify with my characters. They all have a diverse range of characteristics, and a lot of their traits, whether it’s sarcasm or nervous babbling, are traits I have too. Where they come from… it’s a bit of this and a bit of that, really. Sometimes it’s about creating the right foil for another character, other times it’s just because I’m interested in writing a certain personality type, like the “good girl”, or the “bad boy”.

D.P.: 3_How do you deal with the criticism of your work?
     E. K.I have a pretty thick skin, and I don’t expect everyone to love every book I write. But I try not to focus on the negativity. Thankfully, I get a lot of positive energy from my fans, and that’s what keeps me writing.

D.P.: 4_What do you feel when you are writing? What does it give you more pleasure in writing? What is the most difficult thing you feel when you are writing?
     E. K.I experience all sorts of emotions when I’m writing. If I have to kill a character off, I might be in tears. If it’s a really funny scene, I might be grinning the whole time.  The most difficult thing, though, is definitely killing off a character I love.


D.P.: 5_Do you have any writing ritual?
     E. K.Not really. I prefer to write in silence so I’m not distracted, which can sometimes be difficult when you have a big dog LOL.

D.P.: 6_Where do you usually write?
     E. K.I have an amazing office with wall-to-wall bookshelves that’s quite relaxing, but it just depends on my mood or the weather. During the summer I write on my deck. Oftentimes I end up writing on my couch.

D.P.: 7_Besides writing, what is your greatest talent?
     E. K.: I don’t know if it’s my greatest talent, but I’m pretty inclined to music. I play the guitar and piano, and occasionally change words to radio-play songs to make them about my dog.


D.P.: 8_Do you see writing like a necessity or a hobby?
     E. K.Both. I love to write, and I will always write, even if it’s just for myself. But I also write for a living though, so I guess that makes it a necessity as well.

D.P.:9_Do you prefer reading or writing?
     E. K.I really can’t pick between the two. I love to read, and own a ridiculous amount of books, but I also find myself writing for fun between contracted books.

D.P.:10_What is the literary genre that you prefer to read?
     E. K.I mostly read thrillers or crime fiction.
    
D.P.: 11_What is the literary genre that you more like to write?
     E. K.I love writing romantic suspense, but sometimes it gets exhausting, so I like to break it up with some fun, contemporary books in between.

D.P.: 12_What do you think the world would be without books?
     E. K.Sober. Books not only allow us to learn, but to imagine. Books can take you different places, and potentially make you a different person. A world without books is one I’d never want to live in.

D.P.: 13_What is your favorite book?
     E. K.If I had to pick just one, probably Danielle Steel’s Wanderlust. I’ve read this book so many times I’ve had to replace it on several occasions.

D.P.: 14_Who is your favorite writer?
     E. K.I can’t pick just one! But Stephen King is definitely on the top of that list.

D.P.: 15_What is your favorite book's character?
     E. K.I can’t pick just one!

D.P.: 16_Do you prefer the book or the movie?
     E. K.The book, hands down.

D.P.: 17_What is your favorite song?
     E. K.Too many to name!

D.P.: 18_Do you listen to music when you are writing?
     E. K.No, I need the silence. The rest of the time, I’m all for music!

D.P.: 19_What was your first reaction when you saw your books on sale in a library/shopping center?
     E. K.I was thrilled! It was absolutely amazing to see all my hard work out there in the world. It really is the most incredible feeling.

D.P.: 20_How did your life change since you published your first book?
     E. K.It allowed me to write full-time, which is all I’ve ever wanted to do.

D.P.: 21_How does it feel to know that many people, in your country in different countries, read your books?
     E. K.It’s incredible!! I’m so thankful to have so many amazing fans, not only in North America, but around the world as well! I owe a big thank you to the readers for getting my books into so many countries.

D.P.: 22_What was the last book you read? And do you still remember which was the first one?
     E. K.: The last book I read was Stephen King’s 11/22/63. And I can’t remember the first one at all.

D.P.: 23_Describe yourself in five words.
     E. K.Quiet, sarcastic, humble, determined, weird.

D.P.: 24_Are you working on new projects? What can reader expect for the future?
     E. K.I’m always working on new projects! Right now I’m writing a young adult series (The Royals) with Jen Frederick as Erin Watt, as well as working on the spin-off series for Off-Campus.

D.P.: 25_Do you have any advices to give to new writers?
     E. K.Follow your dreams!

D.P.: 26_And, finally, what is the biggest secret of the universe?
     E. K.You’re asking the wrong person. I know nothing, Jon Snow.


Opinion about Elle's books:
The Deal (Off-Campus #1)
The Mistake (Off-Campus #2)



To follow Elle's work, visit her page on Facebook: https://www.facebook.com/AuthorElleKennedy