segunda-feira, 12 de novembro de 2018

#120 - Dá-lhe Letras

Autora: Victoria Aveyard
__ __ __ __     __    V __ __ __   

Qual é o livro?

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

#55 - Curi(livro)sidades

Sabia que...



...desde 2000, Meg Cabot, autora de O Diário da Princesa, lançou 54 livros, que, juntos, venderam 15 milhões de cópias?

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Opinião sobre "O Último Fôlego" (Detective Erika Foster #4) - Robert Bryndza

O Último Fôlego
(Detective Erika Foster #4)
(Artigo de Opinião)


Autor: Robert Bryndza
Título Original: Last Breath (2017)
ISBN: 978-989-890-718-9
Nº de páginas: 328
Editora: Alma dos Livros


Sinopse

    Quando o corpo torturado de uma mulher, jovem e bonita, é encontrado num contentor do lixo, com os olhos inchados e as roupas ensopadas em sangue, a inspetora-chefe Erika Foster é dos primeiros detetives a chegar ao cenário do crime. O problema é que, desta vez, o caso não lhe pertence.


    Enquanto luta para integrar a equipa de investigação, Erika envolve-se no processo e rapidamente encontra semelhanças com o assassínio não resolvido de outra mulher, quatro meses antes. Largadas ambas num contentor do lixo em parques de estacionamento diferentes, têm ferimentos idênticos - uma incisão fatal na artéria femoral da coxa esquerda... E, entretanto, é localizada uma terceira vítima em circunstâncias idênticas.


    Perseguindo as vítimas online, apresentando-se com identidades falsas, o assassino ataca mulheres jovens e bonitas de cabelo castanho comprido e desaparece misteriosamente, sem deixar qualquer pista. Como irá Erika apanhar um assassino que parece não existir?

   Enquanto decorre a investigação, outra rapariga é raptada quando esperava por um encontro. Erika e a sua equipa têm de a localizar, para não depararem com mais uma vítima mortal, e enfrentar um indivíduo terrivelmente sádico e perigoso.


   Alucinante, tenso e impossível de parar de o ler, O Último Fôlego mantém o leitor preso logo na primeira página, enquanto o livro se encaminha vertiginosamente para um final surpreendente.

Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Alma dos Livros em troca de uma opinião sincera


Opinião

      Começo por agradecer à Alma dos Livros pelo gentil envio do livro.

      Depois de "A Rapariga no Gelo", "A Sombra da Noite" e "Águas Profundas", parti para "O Último Fôlego", o quarto volume da série protagonizada pela inspetora-chefe Erika Foster, e que, apesar de não ter satisfeito completamente as minhas expectativas, foi ainda assim uma leitura muito boa.

      Uma jovem, no início da casa dos 20 anos, é encontrada morta num caixote do lixo, profundamente maltratada: o corpo espancado e mutilado indiciando a tortura de que fora alvo nos seus ultimos dias de vida, e um corte fatal na artéria femoral. 

    Após ter estado no local do crime e verificado a crueldade a que aquela mulher fora sujeita, Erika não consegue manter-se afastada do caso, assomada pelo desejo de apanhar o responsável por aquele crime hediondo. Disposta a engolir alguns sapos para pertencer à equipa que está a investigar o homicídio, a inspetora-chefe rapidamente estabelece a ligação entre o seu caso e o de uma outra jovem, encontrada alguns meses antes em condições semelhantes.

    Quando outra rapariga desaparece, instala-se então a dúvida sobre um potencial assassino em série, que utiliza falsos perfis nas redes sociais para aliciar as suas vítimas, marcando encontros com elas e raptando-as. No entanto, Erika não tem nenhuma pista para seguir, só lhe restando aguardar que o assassino cometa algum deslize - o que implica esperar que uma outra jovem corra perigo. Será Erika capaz de evitar uma nova morte?

     À semelhança de "A Sombra da Noite" - o segundo volume desta série e o meu preferido até à data -, descobrimos cedo a identidade do assassino, e temos, intercalados com a narrativa da investigação, capítulos dedicados à sua perspectiva. Isto poderia levar o leitor a perder algum interesse na história, mas Robert Bryndza já provou que consegue fazer com que este modelo resulte. No entanto, confesso que fiquei um pouco desiludida com a personalidade e motivação deste assassino. Dada a crueldade empregue nos crimes, esperava que o seu perpetrador fosse uma pessoa mais atormentada ou com motivos mais fortes, que, na sua cabeça, justificassem as suas ações. No entanto, a verdade é que se, por um lado, achei a explicação para os seus atos pouco interessante, por outro gostei que o autor fugisse um pouco àquela ideia de que os assassinos são pessoas forçosamente estranhas e com histórias profundamente dramáticas no seu passado.

    Relativamente à investigação propriamente dita, houve pormenores que não me convenceram totalmente. A trama está bem construída, mas, por vezes, senti que alguns desenvolvimentos - embora não demasiado forçados - entravam já no campo das coincidências pouco credíveis. Ainda assim, o facto de haver um assassino em série à solta - e cujo período entre os ataques se vai estreitando -, dá uma outra dinâmica à história, criando um clima de ansiedade e expectativa que impulsiona a leitura e acaba por suprimir esses aspetos menos bem conseguidos.



     Neste volume, vemos finalmente o início de um verdadeiro relacionamento entre Erika e Peterson, o que me agradou bastante. Erika é uma personagem que tem evoluído imenso, mostrando-se cada vez mais humana e revelando uma faceta mais carinhosa, mas sem nunca perder o seu espírito indomável e o seu carácter vincado. Aos poucos, tem vindo a aprender a lidar com a dor da perda e a aceitar sem medo uma nova oportunidade para ser feliz. Gostei muito de ver a ternura, a paciência e a dedicação de Peterson, respeitando sempre o espaço de Erika e compreendendo o luto e os receios da protagonista.

    Deixo uma pequena nota para o papel de destaque assumido pelas redes sociais neste livro - uma vez que o assassino recorria a estas para escolher e investigar as suas vítimas -, que convida a uma importante reflexão sobre o que nelas expomos - de forma ou não consciente -, na falsa ilusão de privacidade e controlo.

    Apesar de, na minha opinião, não ser o melhor livro da série, "O Último Fôlego" é ainda assim uma leitura viciante e surpreendente, que consegue cativar verdadeiramente o leitor. O ritmo crescente dos acontecimentos e o suspense inerentes a um bom policial, conjugados com a dimensão pessoal das personagens, faz desta uma série de sucesso, que tenho adorado ler - e a verdade é que devorei este livro! O final deixa entrever interessantes desenvolvimentos futuros para Erika, tanto a nível pessoal como profissional, e estou curiosa para ver qual a direção que o autor vai seguir em "Sangue Frio". Foi, portanto, uma leitura de que gostei bastante!


Opinião sobre outros livros de Robert Bryndza:

 Música que aconselho para acompanhar a leitura: John Mayer_Free Fallin'

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

#54 - Curi(livro)sidades

Sabia que...



...Michael Bond comprou o Urso Paddington em 1956? Bond sentiu-se triste pelo facto de o urso ser o único brinquedo nas prateleiras da loja na Véspera de Natal.

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Opinião sobre "Três Coroas Negras" (Três Coroas Negras #1) - Kendare Blake

Três Coroas Negras
(Três Coroas Negras #1)
(Artigo de Opinião)


Autora: Kendare Blake
Título Original: Three Dark Crowns (2016)
ISBN: 978-972-0-03036-8
Nº de páginas: 328
Editora: Porto Editora

Sinopse


    A CADA GERAÇÃO, NA OBSCURA ILHA DE FENNBIRN, NASCEM TRÊS IRMÃS GÉMEAS.


   Três rainhas herdeiras de um só trono, cada uma possuindo um poder mágico muito cobiçado. Mirabella é capaz de inflamar o incêndio mais violento ou a tempestade mais terrível. Katharine consegue ingerir um veneno mortal sem sentir os seus efeitos. De Arsinoe diz-se capaz de fazer florir a rosa mais vermelha e controlar o leão mais feroz.

   Mas para uma delas ser coroada rainha, não basta ter a linhagem certa. As trigémeas terão de conquistar o seu direito à coroa, lutando por ele… até à morte.

  Na noite em que as irmãs completam 16 anos, a batalha começa. E a rainha que sobreviver, conquistará a coroa!

Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Porto Editora em troca de uma opinião sincera


Opinião

      Começo por agradecer à Porto Editora pelo gentil envio do livro.

     Apesar de ter partido para a leitura já com altas expectativas - não só pelas intrigantes  promessas da sinopse, mas também pelas fantásticas opiniões que o livro tem recebido -, a verdade é que ainda assim não estava à espera de gostar tanto como gostei. Que livro espetacular!

    Na mágica ilha de Fennbirn, todas as gerações nascem três dotadas irmãs gémeas, fadadas a crescerem separadas até completarem 16 anos, altura em que terão de competir pelo trono e pela vida, sendo que, no final, só uma será coroada.

      Katherine é uma envenenadora e cresceu com a família Arron, habituada a ver testados em si os mais variados tipos de venenos, numa tentativa de a imunizar e de lhe despertar o dom que tarda em chegar. Arsinoe, naturalista, amadureceu com os Milone, aguardando o florescer da sua comunhão com a natureza e a chegada do seu Familiar, um animal com o qual sentirá uma profunda conexão. Só Mirabella, criada pelos Westood e protegida do templo de sacerdotisas, manifestou desde cedo o seu poder de elemental no controlo exímio dos elementos, mas nem por isso a tarefa de eliminar as irmãs se torna mais fácil.

     Quando o Festival Beltane chegar, as três irmãs terão de lutar pelo seu direito à coroa até à morte... e apenas a que sobreviver será a legítima rainha de Fennbirn. Qual delas terá o que é preciso para vencer?

    Este é um livro cujo início pode ser considerado um pouco lento, uma vez que corresponde à apresentação do mundo e das personagens, mas que não achei nada cansativo, muito pelo contrário: dá tempo ao leitor para se familiarizar com o universo criado pela autora. Com o avançar da história, os capítulos vão ficando mais curtos e a leitura torna-se cada vez mais rápida e compulsiva. A escrita de Kendare combina na perfeição com o ritmo exigido pela narrativa - oferece ao leitor a dose certa de pormenores para que este consiga imaginar vividamente as cenas descritas, mas sem perder a fluidez que embala a leitura.

    O original mundo que a autora nos apresenta é complexo e está muito bem construído. Gostei muito da sociedade e das suas regras, crenças, tradições e costumes, e agradou-me o facto de o papel de destaque ser  dado às mulheres, que são o sexo forte na ilha de Fennbirn. Além disso, talvez por não ser algo muito comum num livro do género fantástico - e ainda que não seja esse o ponto fulcral da história -, achei interessante que o sistema governamental não fosse isento de pressões políticas, havendo sempre alguém capaz de tudo para satisfazer e garantir os seus interesses.

    Outro ponto de que gostei muito foi de "espreitar" pormenores das histórias de rainhas antigas. Espero que nos próximos volumes nos seja mostrado mais sobre o passado destas regentes e sobre o que há para além dos limites da ilha, no continente.

    Dada a natureza da história e o facto de apenas uma das rainhas poder sobreviver, estava à espera que a autora encaminhasse a narrativa de modo a que nos sentíssemos claramente inclinados para uma favorita desde o início. Mas a verdade é que, ao narrar a história na terceira pessoa e ao oferecer as perspetivas das três jovens, Kendare Blake arquitetou a trama de forma a que o leitor se afeiçoe por todas elas, tornando-se complicado eleger uma favorita à vitória - pois todas têm personalidades fortes e distintas, cheias de qualidades e defeitos bem explorados. Além disso, a história não se foca apenas nas protagonistas, mas também nas pessoas que interagem com elas no dia a dia, e que, para além de assumirem também elas um papel importante, acabam por nos demonstrar um outro lado das rainhas.

   "Três Coroas Negras" é um livro com uma premissa cativante, um enredo extremamente interessante e personagens muito bem construídas. Carregado de intrigas inesperadas e de reviravoltas surpreendentes, é uma excelente leitura do início ao fim! Só me resta aguardar ansiosamente que a Porto Editora publique rapidamente os próximos volumes, porque, depois deste final, a espera vai ser dolorosa! Adorei, adorei, adorei!

 Música que aconselho para acompanhar a leitura: Imagine Dragons_Natural

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

#118 - Dá-lhe Letras

Autora: Lenora Bell
__     __ U     __ I __ __ __     __     __ __ __   

Qual é o livro?

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Opinião sobre "Espada de Vidro" (Rainha Vermelha #2) - Victoria Aveyard

Espada de Vidro
(Rainha Vermelha #2)
(Artigo de Opinião)


Autora: Victoria Aveyard
Título Original: Red Queen (2015)
Tradução: Teresa Martins de Carvalho
ISBN: 978-989-637-848-6
Nº de páginas: 352
Editora: Saída de Emergência


Sinopse

     O novo e eletrificante capítulo da série Rainha Vermelha intensifica a luta de Mare Barrow contra a escuridão que cresceu na sua alma… 

O sangue de Mare Barrow é vermelho mas a sua capacidade Prateada, o poder de controlar os relâmpagos, transformou-a numa arma que a corte real tenta controlar. A coroa acusa-a de ser uma farsa, mas quando ela foge do príncipe Maven – o amigo que a traiu –, Mare faz uma descoberta surpreendente: ela não é a única da sua espécie.

     Perseguida por Maven, Mare parte para descobrir e recrutar outros combatentes Vermelhos e Prateados que se juntem à batalha contra os seus opressores. Mas Mare encontra-se num caminho mortífero, em risco de se tornar exatamente no tipo de monstro que está a tentar derrotar.

     Será que ela vai ceder sob o peso das vidas exigidas pela rebelião?

     Ou a traição e a deslealdade tê-la-ão endurecido para sempre?

Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Saída de Emergência em troca de uma opinião sincera


Opinião

      Começo por agradecer à Saída de Emergência pelo gentil envio do livro.

      Em "Espada de Vidro" voltamos ao mundo de Mare Barrow - uma sociedade em que a hierarquia se define pela cor do sangue e pelos poderes que esta acarreta. Temos os Vermelhos, o povo escravizado, à mercê dos caprichos dos Prateados, os poderosos do topo da cadeia. No entanto, há ainda um grupo de pessoas de sangue vermelho que possui uma mutação que lhes confere capacidades prateadas, os "sanguenovos", classe a que Mare pertence.
   
     Na continuação de "Rainha Vermelha", acompanhamos a jornada de Mare na procura dos outros sanguenovos, na sua tentativa de os salvar e de formar um exército capaz de combater o malvado rei Maven. Não constituísse já essa uma perigosa missão, a protagonista tem ainda de fazer escolhas que põem vidas em risco, enquanto tenta descobrir em quem pode  realmente confiar. Será Mare capaz de encontrar e proteger os outros sanguenovos antes que seja demasiado tarde para salvar o que quer que seja? E porá isso em causa a sua liberdade?

    No início, senti alguma dificuldade ao regressar ao mundo de Mare, não só por já não me recordar bem de alguns aspetos do livro anterior, mas principalmente porque este volume começa de forma algo lenta.

   O nível de complexidade aimenta inequivocamente. No entanto,  vários aspetos
 importantes ficaram por explorar. Se no primeiro livro assistimos à construção de um mundo, de uma sociedade, este segundo peca pelo facto de o foco incidir demasiado no plano de vingança da protagonista, sem que na verdade descubramos muito mais sobre as personagens e sobre os outros reinos.


      Se em "A Rainha Vermelha" senti que a protagonista tinha uma personalidade forte que combinava com o clima de opressão vivido pelo seu povo, já neste segundo livro achei a sua atitude demasiado egocêntrica. Por diversas vezes dei por mim algo irritada com o pedestal em que esta se colocava, bem como com as suas atitudes egoístas e o seu comportamento arrogante. Apesar de sentir alguma empatia pelo perigo que corre e de compreender alguma da sua sede vingativa, não gostei que deixasse que isso a cegasse e lhe toldasse o discernimento nalgumas decisões.


    A escrita de Victoria Aveyard mantém a capacidade de nos transportar para os cenários que descreve e de nos envolver no ambiente da trama durante a leitura. O que mais gostei neste livro foi, sem dúvida, o nível de ação: à medida que a narrativa progride, o ritmo dos acontecimentos vai-se tornando cada vez mais vertiginoso, o que, aliado à sensação de perigo constante, me fez que não querer pousar o livro, sempre na ânsia de saber o que iria acontecer a seguir.

     Tive pena que a rainha Elara não tenha ocupado um maior papel de destqdes, pois foi uma das personagens que mais curiosidade me suscitou no primeiro volume e que, no desenrolar da história, foi quase relevada para segundo plano neste segundo livro. Tambem gostava de ter visto mais cenas de Maven.

    "A Espada de Vidro" foi uma leitura que me cativou, ainda que não tenha satisfeito completamente as minhas expectativas, nomeadamente no que toca à evolução da protagonista. No entanto, continuo bastante curiosa com esta sociedade criada por Aveyard, e, depois deste final, mal posso esperar para pegar em "A Jaula do Rei".

 Música que aconselho para acompanhar a leitura: Look What You Made Me Do_Taylor Swift

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

#53 - Curi(livro)sidades

Sabia que...



...o primeiro livro de Neil Gaiman foi uma biografia sobre os Duran Duran, uma famosa banda inglesa de rock e new wave, e foi publicado em 1984?

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Opinião sobre "Águas Profundas" (Detective Erika Foster #3) - Robert Bryndza

Águas Profundas
(Detective Erika Foster #3)
(Artigo de Opinião)


Autor: Robert Bryndza
Título Original: Dark Water (2016)
ISBN: 978-989-999-338-9
Nº de páginas: 328
Editora: Alma dos Livros


Sinopse

    Debaixo de água, o corpo afundou-se rapidamente. Ali permaneceu, imóvel e imperturbável durante muitos anos, mas, lá em cima, fora de água, o pesadelo estava apenas a começar.

Quando a detetive Erika Foster recebe uma denúncia anónima informando que uma prova fundamental relacionada com um caso de narcóticos estava escondida numa pedreira abandonada nos arredores de Londres, ela manda investigar a pista. No espesso lodo das águas encontram as drogas que procuravam, mas também os restos mortais de uma criança pequena. O esqueleto é rapidamente identificado como Jessica Collins, a menina de sete anos que fizera as manchetes das notícias vinte e seis anos antes.

   Ao mesmo tempo que tenta juntar provas novas à investigação, Erika depara-se com uma família que guarda muitos segredos, uma detetive atormentada pelo fracasso e a morte misteriosa de um homem que vivia junto à pedreira. 

   Será o assassino alguém dos elementos mais próximos da menina? Há quem não deseje ver o caso resolvido. E tudo fará para impedir Erika de descobrir a verdade.

Este exemplar foi-me gentilmente cedido pela Alma dos Livros em troca de uma opinião sincera


Opinião

      Começo por agradecer à Alma dos Livros pelo gentil envio do livro.

      Depois de "A Rapariga no Gelo" e a "A Sombra da Noite", Robert Bryndza apresenta-nos "Águas Profundas", o terceiro livro da série Detective Erika Foster, e que se debruça sobre o caso de uma menina desaparecida.

     A trabalhar num novo departamento, Erika Foster recebe uma chamada anónima relacionada com o caso de narcóticos que está a investigar, e que indica que a droga procurada estará escondida no fundo de uma pedreira abandonada. Quando a equipa de mergulhadores começa a explorar o local, algo mais trágico acaba por vir à superfície: os restos mortais de uma criança, posteriormente identificada como Jessica Collins, uma menina dada como desaparecida 26 anos antes.

      Chocada com o triste desfecho da criança, Erika promete a si mesma descobrir a verdade por detrás do seu estranho desaparecimento e consequente assassinato. No entanto, à medida que se vai afundando no caso que, inicialmente, parecia um beco sem saída, a inspetora começa a desenterrar segredos, e há quem esteja disposto a tudo para que estes não venham à tona. Conseguirá Erika solucionar o mistério por detrás da morte da menina e dar algum descanso à família?

        Ao fim de três livros, penso que é seguro afirmar que o ponto alto de Robert Bryndza é, sem dúvida, a sua magnífica capacidade de gerir o ritmo e o suspense. O equilíbrio perfeito entre as cenas de maior ação, os impasses e a vida pessoal da protagonista fazem-nos agarrar à história, na ânsia de saber o que se seguirá.

     E a verdade é que este foi um livro que me cativou do início ao fim! O facto de o caso se centrar no desaparecimento de uma criança torna a trama mais sombria e pesada, mas, ao mesmo tempo, estranhamente atrativa. Além disso, achei super interessante acompanhar a resolução do desaparecimento de uma menina tantos anos após o acontecimento propriamente dito, principalmente quando as pistas são extremamente escassas e apontam em direções aparentemente sem saída.

    Também gostei da forma como o autor retratou o impacto que um caso desta dimensão pode ter na carreira e na vida de uma agente policial. Amanda Baker foi a inspetora responsável pelo caso do desaparecimento de Jessica, há 26 anos, e a pressão interna e mediática relativamente à falta de resultados acabou por fazer dela o bode expiátorio para o insucesso obtido, levando esta no presente uma existência decadente e desregrada.

     A disfuncional família de Jessica também assume um papel central na história, uma vez que é o ponto de conexão entre o passado e o presente, e rapidamente percebemos os danos irreparáveis causados pelo desaparecimento da menina, os segredos e as feridas ainda por sarar, mesmo passados tantos anos. Gostei bastante que o autor tivesse explorado este lado dos que ficam para trás, dos que se recusam a esquecer e dos que precisam a todo o custo de seguir em frente.

     Cada vez gosto mais da protagonista. Ainda que nos volumes anteriores tenha achado Erika um pouco fria, o fortificar das relações com os seus colegas tem mostrado uma outra faceta sua, mais humana e calorosa. Numa fase mais resolvida do luto, é bom começar a ver a sua abertura a uma possível nova relação, e é interessante ver explorado o seu lado mais frágil e carente. 

     "Águas Profundas" é um livro um pouco mais sombrio, um mistério intrigante tecido com mestria numa intrincada rede de acontecimentos, segredos e mentiras. Com o ritmo vertiginoso a que o autor já nos habituou, é um policial envolvente e surpreendente. Mal posso esperar para pegar em "O Último Fôlego"! Recomendo realmente esta série!


Opinião sobre outros livros de Robert Bryndza:

 Música que aconselho para acompanhar a leitura: John Mayer_Free Fallin'

#117 - Dá-lhe Letras

Autora: Phoebe Locke
__     __ __ M     __ __ S     __ __ __ __ S 

Qual é o livro?